Blog do Juares | Campanha de Haddad contrata gráfica investigada pela Lava Jato

Camaquã-RS
04:18
20/11/2018

Blog do Juares | Campanha de Haddad contrata gráfica investigada pela Lava Jato

Redes Sociais

Facebook Twitter RSS Contato
RELEMBRE OS BONS MOMENTOS
Anunciantes Blog do Juares

Notícias - Política

Campanha de Haddad contrata gráfica investigada pela Lava Jato

De acordo com informações fornecidas pelo TSE, o valor gasto com a Print seria de R$ 111 mil em contrato para fornecimento de adesivos e impressos
18/10/2018 | 18h17 - Fonte: Correio do Povo / Foto: Nelson Almeida / AFP / CP Memória
Compartilhe:

O candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad, contratou uma gráfica envolvida em casos de corrupção e investigada pela operação Lava Jato. De acordo com informações do jornal "Folha de S.Paulo", a campanha do presidenciável contratou serviços da gráfica Print, de Cuiabá (MT), que é investigada por suposto envolvimento com recebimento de dinheiro da JBS. 

Ainda segundo informações do jornal, a empresa teria sido contratada para o fornecimento de adesivos e impressos no valor de R$ 111 mil, conforme dados declarados ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Esta não é a primeira vez que a campanha contrata na atual campanha empresas investigadas. Foram gastos R$ 4,9 milhões com a empresa Rentalcine, registrados na campanha de Lula, para a locação de equipamentos de gravação. Um dos sócios da companhia é réu na Lava Jato e outro é colaborador da Justiça no Peru, em delação relacionada à Odebrecht. 

Já na campanha de Haddad foram registrados gastos de R$ 2,1 milhões com a mesma empresa. Ainda segundo dados do TSE, a Rentalcine é a empresa que tem maior volume de gastos nesta campanha presidencial de 2018 — somam R$ 28 milhões e a locadora gerou despesas de R$ 7,1 milhões. 

A Rentalcine foi umas das empresas mencionadas na delação da publicitária Monica Moura. Em 2016, o MPE (Ministério Público Estadual) de São Paulo colocou a empresa em um inquérito após análise de contratos com a Assembleia Legislativa do Estado.

Compartilhe:

comentários