Colunistas

Pablo Bierhals - Fatos interessantes e assuntos diversos

Pablo Bierhals - Fatos interessantes e assuntos diversos

Estudante de Jornalismo na UCPel, leitor, pesquisador de diversos assuntos e gremista.

Roy Larner: o torcedor inglês que foi herói em ataque terrorista

19/03/2020 - 18h22min Pablo Bierhals / Foto: Reprodução/Facebook

Não é todo dia que alguém se dispõe a arriscar sua vida para salvar a de outros durante um ataque terrorista, mas não foi apenas isso que fez Roy Larner, de 47 anos, em junho de 2017. O inglês estava em um pub londrino chamado Black & Blue quando os terroristas invadiram o local com facas.

Segundo relatos, o grupo de terroristas invadiu o local gritando “Alá, Alá, Alá”, e o torcedor herói gritou de volta “danem-se vocês, eu sou Millwall”, fazendo com que o grupo fosse ao seu encontro e o esfaqueasse enquanto o mesmo lutava sozinho contra os três terroristas. O homem acabou atingido no peito, nuca e costas.

Millwall, para quem não conhece, é um clube inglês que disputa o equivalente a segunda divisão do campeonato nacional, sendo a equipe com uma das torcidas mais violentas de todo o Reino Unido (talvez isso explique a atitude do torcedor), mas a verdade é que o homem evitou um massacre e ainda saiu vivo, apesar das facadas.

No final, os três criminosos acabaram mortos com tiros dos policiais e o torcedor foi hospitalizado. No dia seguinte, ele acabou ganhando o apelido de "Leão da London Birdge", se referindo ao mascote do Millwall.

– Eu estava sozinho contra todos eles, por isso me machuquei bastante. Fui esfaqueado e cortado. Me acertaram na cabeça, no peito e nas duas mãos. O sangue es espalhou por todo lugar. E eu gritava: "F...-se vocês, eu sou Millwall" – contou em entrevista ao jornal "The Sun".

Os familiares e amigos do torcedor criaram, na época, uma espécie de “vaquinha”, para ajudar no tratamento das lesões sofridas pelo “Leão de London Birdge”. A esperança era de que chegasse a 500 libras, mas a comoção foi tanta que a quantia chegou a 15 mil libras em pouco tempo.

Essa não foi a primeira e nem a única vez que alguém esteve disposto a sacrificar-se para salvar outras pessoas, mas sem dúvidas é um caso bastante curioso, principalmente de um ponto de vista poético, onde o torcedor, fanático pelo seu clube, compara o mesmo com a religião declarada pelos terroristas. Pode ser visto por muitos como loucura, mas não se pode tirar o mérito de Roy Larner de ter evitado o massacre. Foi sem dúvidas um ato heroico.

MAIS COLUNAS

FICA EM CASA
FICA EM CASA
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +