Colunistas

Guilherme Gomes Fernandes - Raio X do Esporte

Guilherme Gomes Fernandes - Raio X do Esporte

Tenho 25 anos, sou natural de Porto Alegre e moro em Camaquã. Sou apaixonado por esporte, principalmente por futebol. Tenho a meta de me formar em jornalismo esportivo. Apaixonado por leitura esportiva. Escrever sobre futebol me alimenta cada dia mais, eu sou um apaixonado por esse esporte.
Telefone/WhatsApp (51) 98924 9184.

O Grêmio e Inter realmente não são "cavalos paraguaios"

27/08/2020 - 09h15min Guilherme Gomes Fernandes / Foto: Grêmio / Lucas Uebel e Inter / Ricardo Duarte
Anterior Próximo

Na semana da final do Campeonato Gaúcho, e após mais um empate em 5 rodadas do campeonato nacional, Renato Gaúcho deu uma declaração um tanto polêmica. Ao dizer que o rival que está na frente do campeonato é 'cavalo paraguaio', mas para receber esse tipo de apelido o time tem que disputar de ponta a ponta e no final perder.

Desde que chegou ao Grêmio em 2016, o tricolor não disputou sequer pelo título ficando na 9° colocação. Já em 2017, 2018 e 2019 ficou nas quatro edições em 4° lugar, ou seja, não pode ser chamado de 'cavalo paraguaio' porque Renato desiste do Brasileirão, e dá importância para outras competições. Só que campeonato brasileiro tem a mesma importância ou até mais do que as competições copeiras; Libertadores e Copa do Brasil. É pouco para um time do tamanho do Grêmio ficar sem ganhar a competição nacional tanto tempo (24 anos).

Já o jogador Patrick respondeu a crítica do técnico gremista, ''quem tem boca fala o que quer. Desde que eu cheguei no Inter, não lembro do Grêmio ter sido campeão brasileiro".

Só que ele se esqueceu que nas últimas quatro edições ,o Inter foi rebaixado em 2016. Em 2017 jogou a série B, em 2018 ficou em 3° lugar e 2019 ficou em sétimo. É muito pouco para o tamanho do Inter que está há muito tempo sem ganhar a competição (41 anos).

A dupla Grenal dá mais importância para disputar uma rivalidade paralela para ver quem fica na frente de quem, e se esquecem que não podem ser chamado de “cavalos paraguaios” porque eles não ganham, desistem e dão cada vez mais chances para a hegemonia Rio-São Paulo, que dominam a competição desde 2004.

Já passou da hora de parar as cornetas caseiras e começar a disputar de verdade a competição.

MAIS COLUNAS

MIX BEBIDAS
MIX BEBIDAS
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +
*/ ?>