Geral

Funcionários fazem manifestação em frente à GM e rejeitam propostas da empresa

Em assembleia, trabalhadores rejeitaram as 21 medidas apresentadas pela montadora, como diminuição do piso salarial e aumento da jornada de trabalho de 44 horas semanais
29/01/2019 - 09h08min GaúchaZH/Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS Corrigir

Funcionários da General Motors (GM) realizaram protesto em frente à sede da empresa em Gravataí, na manhã desta terça-feira (29). Desde as 5h30min, os manifestantes se concentraram na RS-030, no portão da fábrica, com caminhões de som.

Uma assembleia foi realizada com trabalhadores que chegavam para o primeiro turno e com os que saíam do terceiro. Foram colocadas em votação e rejeitadas as 21 medidas divulgadas pela montadora para reduzir custos.

Entre elas, estão o corte de cerca de 17% no piso salarial, para R$ 1,3 mil, que seria voltado a novos contratos, jornada de trabalho de 44 horas semanais e revisão no programa de participação de resultados (leia mais abaixo).

Conforme o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí, Noeldi Leal Trindade, o Nando, não estão descartadas novas mobilizações.

— Fizemos pela manhã um "trancaço" no portão de entrada. Vamos conversar com os trabalhadores do turno da tarde e não descartamos outras ações semelhantes — disse.

Por volta das 7h, os portões foram liberados e os funcionários iniciaram o trabalho. Dois diretores do sindicato vão se reunir com diretores da GM em São Caetano em Sul, em São Paulo.

 O impasse sobre o futuro da operação da multinacional cresceu após a divulgação de um comunicado endereçado aos funcionários. No texto, a companhia sinalizou que o futuro da empresa no país dependeria da volta do lucro à operação brasileira. 

— Eles colocaram (o comunicado) e o pessoal ficou muito preocupado já. Porque a gente depende dessa firma para trabalhar. Cada funcionário aqui dentro é pai de família, mas a gente não pode ser escravo né, de uma firma que quer empurrar uma coisa goela a baixo do peão — diz um dos funcionários, que está há 15 anos na empresa.

As propostas 

Sem dar mais detalhes, a GM listou 21 medidas endereçadas aos funcionários da unidade em Gravataí. Abaixo, confira as principais: 

  • Redução de cerca de 17% no piso salarial, que seria voltada aos novos contratos, para R$ 1,3 mil – o atual é de R$ 1.573, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí. 
  • Jornada de trabalho de 44 horas semanais para novas contratações – hoje, é de 40 horas, aponta a entidade que representa os trabalhadores. 
  • Revisão no programa de participação de resultados (PPR) – zero no primeiro ano, 50% em 2020 e 100% em 2021. 
  • Suspensão da contribuição da GM por 12 meses para previdência e alteração no plano médico dos funcionários. 
  • Implementação do trabalho intermitente por acordo individual e coletivo e jornada especial de trabalho de 12 por 36 horas.

A companhia em Gravataí

  • A chegada da empresa à região metropolitana de Porto Alegre foi anunciada em 1997. 
  • A planta gaúcha integra as operações da GM Mercosul, que tem outras duas no Brasil, em São Caetano do Sul e São José dos Campos, ambas em São Paulo. A empresa ainda opera uma unidade em Rosário, na Argentina. 
  • Hoje, a fábrica de Gravataí emprega cerca de 3 mil funcionários diretos, além de outros 3 mil em sistemistas, estima o sindicato dos metalúrgicos do município. 
  • No local, são produzidos dois modelos de carros: o Prisma e o Onix, o mais vendido do Brasil.
  • A GM tem em andamento projeto que prevê investimento de 13 bilhões no país até 2020, dos quais R$ 1,4 bilhão na unidade gaúcha. 

MAIS NOTÍCIAS

SUPER SÃO JOSÉ
SERVI
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
MA EXCURSÕES
FUNERÁRIA BOM PASTOR
FUNERÁRIA JARDIM
RÁDIO SÃO JOSÉ
Petroman
ELETRO CLIC
TAXISTAS APP
JOMAR GÁS
Lucas Imobiliária
PEGLOW
SPEED CAR
ROGÉRIO CALÇADOS
ADRIANO CONRADO
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +