Geral

Atuação de médicos cubanos contratados como atendentes em farmácias causa polêmica no RS

Rede de lojas afirma que contratou profissionais para serem atendentes e nega irregularidades
23/05/2019 - 10h17min Corrigir

A contratação de médicos cubanos pela Farmácias São João, entre abril e maio, provocou reação de conselhos de classe no Estado, que afirmam que há denúncias de que os profissionais estariam desempenhando atividades de medicina e farmacêuticas nas lojas, o que seria irregular. 

A São João, no entanto, informa que apenas admitiu os estrangeiros para a função de atendentes, sem qualquer influência na atuação dos responsáveis técnicos dos estabelecimentos, os farmacêuticos. O Conselho Regional de Farmácia (CRF-RS) e o Conselho Regional de Medicina (Cremers), ambos do Estado, prometem apurar o caso. 

Diretor jurídico da Farmácias São João, Sérgio Ferraz rebate a polêmica. Segundo ele, cerca de 20 cubanos foram contratados como balcofarmacistas para desempenharem apenas a função de atendentes. Ele não confirmou se todos estrangeiros são médicos. Admitiu que alguns são, mas que a formação deles é irrelevante para a atividade desempenhada.

– Foram contratados e treinados para a função de balcofarmacistas. Em hipótese alguma houve o exercício de qualquer atividade relacionada à medicina ou a algo que competia aos farmacêuticos, os responsáveis pelas farmácias. Balcofarmacistas são supervisionados pelos farmacêuticos – garante Ferraz.

Conforme a rede, os funcionários foram contratados após processo de seleção desenvolvido em diferentes regiões gaúchas. A empresa não divulgou o número ou os locais de lojas que receberam os trabalhadores.

– A função de balcofarmacista pode ser ocupada por qualquer pessoa, desde que passe pelo processo de seleção. Essa tarefa tem limitações dentro das farmácias – declara Ferraz. – Respeitamos a classe farmacêutica. Estamos sempre dispostos a propiciar as melhores condições de trabalho. Respeitamos também a classe médica – acrescenta.

Diante da polêmica, a São João informa que resolveu afastar os cubanos do dia a dia de trabalho. O futuro dos profissionais ainda não foi definido, segundo Ferraz.

– Estamos prezando por colocar calmaria na situação. A polêmica foi muito grande por algo que não acontecia. Eles eram balcofarmacistas, trabalhavam normalmente. Com a grande exposição, houve o afastamento até para preservá-los – argumenta o diretor.

Em novembro do ano passado, Cuba decidiu deixar o programa Mais Médicos. Na ocasião, o governo do país alegou como motivação algumas declarações "ameaçadoras" de Jair Bolsonaro, que recém havia sido eleito para exercer  o cargo de presidente da República no ano seguinte. 

Segundo o Código de Ética Médica, profissionais da categoria estão proibidos de “exercer simultaneamente a Medicina e a Farmácia ou obter vantagem pelo encaminhamento de procedimentos, pela comercialização de medicamentos”.

– O exercício da medicina em farmácias é proibido. Estamos investigando essas questões – comenta o presidente do Cremers, Eduardo Trindade.

Em nota, sem citar a São João, o CRF-RS afirma “que a atuação de outros profissionais nos estabelecimentos farmacêuticos não possui restrição, exceto para médicos, e desde que não haja conflito de interesse e conflitos técnicos”. “O CRF-RS ressalta que farmácias são estabelecimentos de saúde e defende a prática dos serviços farmacêuticos, realizados pelo profissional legalmente habilitado para isso, o farmacêutico”, completa o texto.

Farmácias São João

A rede afirma que contratou os cubanos para vagas de atendentes, sem influência sobre o trabalho de farmacêuticos e sem exercer medicina nas lojas.

CRF-RS e Cremers

Os conselhos regionais de Farmácia e Medicina declaram que receberam denúncias de casos de cubanos realizando atividades que seriam irregulares nas farmácias. Os órgãos prometem apurar as informações.

Fim do Mais Médicos

  • Em novembro de 2018, o governo cubano informou que deixaria o programa Mais Médicos após classificar declarações de Jair Bolsonaro, que assumiria a Presidência da República em janeiro, como "ameaçadoras e depreciativas" .
  • No Rio Grande do Sul, 92 municípios que perderam médicos com a saída dos cubanos seguiam com vagas não preenchidas em março, conforme levantamento de GaúchaZH à época.
  • Médicos cubanos que ficaram no Estado acabaram entre o desemprego e a atuação em outros ramos.
  • Novo edital do Mais Médicos, lançado no último dia 13, não aumenta o número de profissionais no Estado. Oportunidades abertas em 52 cidades gaúchas buscam ocupar vagas não preenchidas no processo anterior.

MAIS NOTÍCIAS

PEGLOW
SPEED CAR
FUNERÁRIA BOM PASTOR
Vencato Casas
MIX BEBIDAS
FESTA DE SÃO JOÃO
ELETRO CLIC
SUPER SÃO JOSÉ
ECONÔMICA MÓVEIS E ELETRO
CIPEX IDIOMAS
Studio Master
ADRIANO CONRADO
RÁDIO SÃO JOSÉ
SERVI
JOMAR GÁS
TIC-TAC
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +