Geral

Vale diz que talude está deslizando e risco de impacto em barragem é menor

No último relatório divulgado pela ANM (Agência Nacional de Mineração), o talude já atingiu um deslocamento de 24,5 cm por dia
28/05/2019 - 16h15min Notícias UOL Corrigir

A Vale disse nesta terça-feira (28) que o talude da mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG), está deslizando, o que diminui a possibilidade de haver impacto na barragem Sul Superior. É o que, segundo a mineradora, apontam as últimas análises da movimentação da parede comprometida.

 "Hoje temos mais elementos de análise sobre o comportamento do maciço, nos mostrando que está acontecendo um deslizamento para o fundo da cava. Com isso, há uma grande possibilidade de o talude se acomodar dentro da cava, sem maiores consequências", diz o diretor de Operações da Vale, Marcelo Barros, em nota enviada pela empresa nesta manhã.

No último relatório divulgado pela ANM (Agência Nacional de Mineração), às 12h, o talude tinha atingido um deslocamento de 24,5 cm por dia em pontos isolados e 20,1 cm por dia na porção inferior - ontem no final do dia a média era de 21,5 cm e 18 cm por dia, respectivamente. Esta movimentação é quatro vezes mais do que o registrado em abril.

A mineradora lembra, porém, que, mesmo que a queda do talude não comprometa a barragem de rejeitos, ela continua em alerta máximo para rompimento, o nível 3, que foi declarado em 22 de março. Razão pela qual o plano de ação de evacuação da cidade continua em funcionamento, devendo os moradores da chamada ZSS (zona de segurança secundária) se deslocarem para os pontos de encontro pré-estabelecidos caso a sirene seja acionada.

Os moradores da maior área de risco, da ZAS (zona de auto salvamento), já foram retirados de suas propriedades em 8 de fevereiro, quando a barragem teve seu certificado de estabilidade negado por uma empresa contratada pela Vale. Esses moradores estão hospedados em hotéis ou casas alugadas pela mineradora em Barão de Cocais e na região.

Como a situação permanece delicada, a empresa disse, na mesma nota, que não fará obras na cava da mina, para evitar ter pessoas no local, mas que as obras de contenção continuam. Segundo a Vale, está sendo construída uma espécie de bacia que, no caso de rompimento, ajudaria a reter parte dos rejeitos. Telas e blocos de granito também estão sendo colocados ao longo da rota da lama para que, caso ocorra o estouro da barragem, possa haver uma redução da velocidade da lama.

MAIS NOTÍCIAS

ADRIANO CONRADO
ROGÉRIO CALÇADOS
GRUPO WHATSAPP
ELETRO CLIC
ART MÓVEIS
Petroman
SUPER SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA CONCÓRDIA
RÁDIO SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA BOM PASTOR
OLIDATA
LAVAGEM FERNANDES
SKY INFOPARTNERS
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +