Política

Deputados do PSL dizem que Bolsonaro decidiu deixar partido e criar nova legenda

Parlamentares deram informação após reunião com Bolsonaro; presidente se filiou ao PSL em 2018 para disputar eleição. Bolsonaro entrou em atrito com Luciano Bivar e gerou crise no partido
12/11/2019 - 17h33min Corrigir

Deputados do PSL afirmaram nesta terça-feira (12) que o presidente Jair Bolsonaro decidiu deixar o partido e criar uma nova legenda.

Daniel Silveira (PSL-RJ), Bia kicis (PSL-DF), Carlos Jordy (PSL-RJ), Coronel Chrisóstomo (PSL-RO) e Leo Motta (PSL-MG) deram a informação ao deixar o Palácio do Planalto, onde se reuniram com Bolsonaro.

O presidente da República ainda não havia se pronunciado oficialmente sobre o assunto até a última atualização desta reportagem.

A saída de Bolsonaro ocorre após uma série de desentendimentos entre ele e o presidente do PSL, Luciano Bivar. No mês passado, Bolsonaro afirmou a um apoiador para "esquecer" o partido, acrescentando que Bivar está "queimado para caramba".

Essa declaração de Bolsonaro desencadeou uma crise no partido, dividindo as alas ligadas a ele e a Bivar.

O presidente da República já avaliava há alguns meses a possibilidade de deixar o partido e passou a ter conversas frequentes com parlamentares e com os advogados Karina Kufa e Admar Gonzaga (ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral).

Troca de partidos

Ao longo de três décadas de carreira política, Bolsonaro tem histórico de troca de partidos. O PSL foi o oitavo partido por onde Bolsonaro passou. Antes, o presidente teve passagens por: PDC, PPR, PPB, PTB, PFL, PP e PSC. O casamento entre Bolsonaro e o PSL durou pouco mais de um ano.

Em busca de um partido para disputar a eleição presidencial, Bolsonaro anunciou em janeiro do ano passado que trocaria o PSC pelo PSL, então um partido nanico. A filiação ocorreu em março.

À época da eleição, Bivar transferiu a presidência da sigla para Gustavo Bebianno, então braço direito de Bolsonaro. A onda bolsonarista da eleição fez o PSL saltar de um deputado eleito em 2014 para 52, a segunda maior bancada da Câmara dos Deputados.

Passada a eleição, Bivar reassumiu o comando da legenda. Já com o novo governo empossado, os desentendimentos internos e a disputa por controle de cargos e repasses de fundo partidário e eleitoral corroeram a relação do grupo bolsonarista com o de Bivar.

A crise chegou ao ponto de uma guerra de listas, com empenho direto de Bolsonaro, derrubar da liderança do partido na Câmara o deputado Delegado Waldir (GO), apoiado pela ala bivarista. Ele foi substituído por Eduardo Bolsonaro (SP), um dos filhos do presidente da República.

Ao se tornar o segundo maior partido da Câmara, o PSL aumentou sua participação no fundo partidário: saltou de R$ 9,7 milhões em 2018 para R$ 110 milhões em 2019 – e a expectativa é que, em 2020, o valor fique entre R$ 400 milhões e R$ 500 milhões.

Já com relação ao fundo eleitoral, a previsão para o pleito do próximo ano é que a legenda receba quantia superior a R$ 200 milhões – graças aos mais de 10% de representação na Câmara dos Deputados.

O dinheiro fica sob administração dos dirigentes do partido, no caso, de Bivar e seus apoiadores.

A disputa pelo controle dos recursos levou Bolsonaro e mais 23 parlamentares a pedirem no mês passado o bloqueio de repasses do fundo partidário ao PSL e o afastamento e Bivar da presidência da legenda.

O pedido foi feito em representação à Procuradoria Geral da República (PGR) e indicou haver elementos de ilegalidades cometidas na direção da agremiação.

MAIS NOTÍCIAS

RÁDIO SÃO JOSÉ
ELETRO CLIC
FUNERÁRIA BOM PASTOR
Petroman
LAVAGEM FERNANDES
FUNERÁRIA CONCÓRDIA
OLIDATA
BRICK DO TOMAZ
ADRIANO CONRADO
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
SUPER SÃO JOSÉ
ART MÓVEIS
GRUPO WHATSAPP
ROGÉRIO CALÇADOS
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +