Economia

'Seria um pesadelo': por que não interessa à indústria brasileira um acordo de livre comércio com a China

Ministro Paulo Guedes disse que o governo negocia a criação de uma área de livre comércio entre Brasil e China, mas possibilidade não seria boa para setor de manufaturados nacional, dizem representantes e economistas
14/11/2019 - 17h12min Corrigir

Um pesadelo. É assim que o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, resume os efeitos para a indústria brasileira se houver um acordo de livre comércio com a China.

Essa possibilidade virou assunto depois de o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmar que o governo negocia a criação de uma área de livre comércio entre Brasil e China. Quando foi questionado sobre detalhes desse plano, no entanto, o ministro disse que apenas defendeu mais integração entre os dois países.

O que pode parecer um estímulo ao comércio seria, no cenário atual, um grande problema para a indústria brasileira, segundo Castro, que representa as empresas exportadoras.

"Só a China ganharia com esse acordo hoje, a indústria brasileira não teria nada a ganhar", diz. "No futuro, quando o Brasil tiver realizado todas as reformas necessárias e reduzido custos de logística e de burocracia, poderemos ter preços competitivos e aí sim um acordo seria bem vindo."

Castro aponta que as empresas brasileiras não conseguiriam competir com os preços dos produtos chineses. "O Custo Brasil é muito elevado, gira em torno de 30% (um produto brasileiro é, em média, 30% mais caro que o mesmo produto feito no exterior). Aí estaríamos abrindo o mercado, mas sem preço competitivo."

Uma zona de livre comércio tem o objetivo de estimular as trocas entre os países e prevê a redução ou a eliminação das tarifas alfandegárias entre os países-membros.

Os números

A resposta sobre o que ocorreria se houver um acordo de livre comércio está nos números da balança comercial com a China, que é o principal destino das exportações brasileiras. No ano passado, o saldo comercial entre os dois países ficou positivo para o Brasil em US$ 29 bilhões.

O detalhe importante, no entanto, está nos tipos de produtos.

Os bens manufaturados representaram apenas 2% das exportações brasileiras para a China em 2018. Os semimanufaturados, 8%. A grande maioria é composta por produtos básicos, com 90% das vendas brasileiras aos chineses. A soja triturada foi o tipo de produto mais vendido pelos brasileiros aos chineses no ano passado.

A economista Vivian Almeida, professora do Ibmec, diz que a medida poderia ter "um impacto irreversível para a indústria brasileira, que já não é competitiva". "Os números falam por si só. Olhando o que é hoje o comércio do Brasil com a China, vemos que vamos sair do patamar de 90% de produtos básicos para 100% (nas exportações para os chineses)", disse Almeida.

Por outro lado, 98% das compras de produtos chineses pelo Brasil no ano passado foram de manufaturados. Menos de 2% das importações foram de produtos básicos.

A economista diz que "se o objetivo é crescer de forma mais múltipla e diversa, além de beneficiar a indústria brasileira, esse não é o melhor caminho". Ela destaca que esse diálogo ocorre em meio a uma mudança de eixos no cenário internacional.

"A China está se apropriando do espaço deixando pelos Estados Unidos com relação ao que convencionamos chamar de globalização. A China se apropriou desse espaço economicamente — pelo crescimento que vem apresentando nas últimas décadas — e politicamente — pelo espaço deixado pelos EUA na gestão Trump ao não apoiar o multilateralismo."

Outra questão nesse debate é o Mercosul, já que o Brasil faz parte da união aduaneira. Por isso, segundo Castro, o Brasil não poderia negociar sozinho um acordo de livre comércio com a China.

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) informou, por meio de assessoria de imprensa, que as discussões ainda estão no estágio inicial e que é necessário "entender mais claramente" os termos do acordo. A federação diz que manifestará seu posicionamento "quando as negociações estiverem mais maduras". 

Cúpula do Brics

A fala do ministro Guedes sobre o livre comércio com os chineses aconteceu durante seminário do Novo Banco de Desenvolvimento do Brics. Nesta semana, a cúpula dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) de 2019 ocorre em Brasília, sob o comando do presidente Jair Bolsonaro, um crítico do multilateralismo e fiel aliado do governo americano de Trump.

Rompendo com uma tradição iniciada em 2013, em que o país anfitrião da cúpula passou a convidar outras nações para um encontro extra ampliado, o governo brasileiro decidiu manter a reunião deste ano restrita aos cinco integrantes.

No ano passado, por exemplo, a África do Sul promoveu, após a reunião exclusiva do Brics, encontros expandidos envolvendo 19 nações africanas, além de Argentina, Turquia e Jamaica. Já na última cúpula realizada no Brasil, em Fortaleza, em 2014, todos os líderes sul-americanos estiveram presentes.

O início da cúpula foi ofuscado pela invasão da Embaixada da Venezuela em Brasília. O grupo de invasores, ligado ao autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, só deixou o local no fim da tarde de quarta-feira, dia 13 de novembro.

MAIS NOTÍCIAS

FUNERÁRIA CAMAQUENSE
LAVAGEM FERNANDES
OLIDATA
ART MÓVEIS
SUPER SÃO JOSÉ
ELETRO CLIC
GRUPO WHATSAPP
ROGÉRIO CALÇADOS
MIX BEBIDAS
ADRIANO CONRADO
RÁDIO SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA BOM PASTOR
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +