Justiça

Justiça condena MP a pagar indenização a Tarso Genro por 'abuso de direito' e 'má-fé'

TJ-RS considerou que o Ministério Público responsabilizou indevidamente o ex-governador em processo de licitação de transporte público do DAER. Decisão cabe recurso
16/11/2019 - 19h23min Corrigir

A 1ª Câmara do Tribunal de Justiça do estado (TJ-RS) decidiu, por unanimidade, condenar o Ministério Público (MP-RS) a pagar uma indenização de R$ 20 mil ao ex-governador Tarso Genro. Segundo o relator, desembargador Carlos Roberto Lofego Caníbal, o MP cometeu "abuso de direito" ao incluir o petista em processo relativo a fraudes em licitações do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (DAER).

É possível recorrer da decisão. O MP afirna que a Procuradoria ainda vai analisar a possibilidade de entrar com um recurso.

Conforme o relatório do TJ, o ex-governador foi responsabilizado pelo MP por ato de improbidade administrativa por não licitar o transporte intermunicipal, cuja responsabilidade é do DAER, uma autarquia autônoma. O desembargador Caníbal considerou que a decisão "não me parece razoável, respeitada máxima vênia. Tampouco justo, e menos ainda, legal".

O magistrado acredita que o ex-governador não era parte do processo, e não agiu com dolo ou culpa. Além disso, considera que "houve abuso do direito processual, de ação" e "ausência de pretensão razoável para o ajuizamento".

"A violação de direito fundamental é tamanha que o mero ajuizamento da ação puniu o agravante liminarmente, implicando em danos não apenas na sua vida profissional, mas pessoal – homem público que é", escreve o desembargador-relator nos autos.

O voto foi seguido pelos outros dois desembargadores.

Entenda o caso

O Ministério Público entrou com uma ação civil pública, em 2002, responsabilizando o DAER pela renovação dos contratos com as empresas prestadoras do serviço de transpor público intermunicipal sem licitação.

A Justiça decidiu, então, que os gestores públicos — entre eles, Tarso Genro — teriam se omitido de cumprir a ordem, e estabeleceu, em 2013, uma multa de mais de R$ 1 bilhão.

Em novembro de 2015, Tarso teve os bens bloqueados pela 3ª Vara da Fazenda Pública.

Um mês depois, teve o pedido suspensão da decisão atendido, e, em 2016, o Tribunal de Justiça determinou o desbloqueio, em definitivo, das contas do ex-governador.

MAIS NOTÍCIAS

FUNERÁRIA CAMAQUENSE
ADRIANO CONRADO
OLIDATA
GRÁFICA.COM
FUNERÁRIA BOM PASTOR
Lucas Imobiliária
SPEED CAR
ELETRO CLIC
PEGLOW
RÁDIO SÃO JOSÉ
ART MÓVEIS
JOMAR GÁS
JENIFER
FUNERÁRIA JARDIM
ALEXANDRE AR CONDICIONADO
SUPER SÃO JOSÉ
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +