Justiça

Acordo reduzirá em cerca de 20% número de CCs na Câmara de Vereadores de Rio Grande

A expectativa é de economia de R$ 1 milhão por ano
22/11/2019 - 14h52min Ministério Público Corrigir

A partir de investigações do Ministério Público que detectaram a falta de legislação municipal para adequar a quantidade de cargos em comissão no quadro de servidores da Câmara de Vereadores de Rio Grande, foi assinado um Termo de Ajustamento de Conduta junto ao MP nesta quinta-feira para a redução de aproximadamente 20% dos CCs no legislativo da cidade. Firmaram o documento a presidente do Parlamento de Rio Grande, Andréa Dutra Westphal, a consultora jurídica, Izabel Klinger, e o procurador adjunto, Roger Martins da Rosa. O TAC foi proposto pelo promotor de Justiça José Alexandre Zachia Alan. A expectativa é de economia de R$ 1 milhão por ano.

O Termo prevê que a Presidência contará com cinco cargos em comissão, compreendidos por um diretor-geral, um consultor jurídico, um secretário de gabinete, um assessor de imprensa e um assessor jurídico de plenário. Cada vereador contará com cinco cargos em comissão, sendo um chefe de gabinete parlamentar e quatro assessores parlamentares. O projeto de lei para atender a esses índices deverá ser apresentado em sete dias, com efeito a partir de 1º de janeiro de 2021.

A Câmara de Vereadores deverá implantar sistema de controle de efetividade de todos os seus servidores, incluindo comissionados e ocupantes de cargos de comissão. Os controles devem se dar diariamente com a supervisão da Presidência e dos vereadores, seja por meio físico ou eletrônico. A resolução da mesa diretora para atender a essa cláusula deverá ser apresentada ao MP em 15 dias, com a implementação do sistema nos 15 dias consecutivos à emissão da determinação.

Ainda, o Legislativo de Rio Grande deverá dispor, por lei própria, a previsão de reserva de 10% das vagas aos portadores deficientes nos concursos públicos realizados para prover cargos efetivos, atendendo lei municipal que rege o tema. O projeto de lei deve ser apresentado em 30 dias.

Para o caso de descumprimento de cada uma das cláusulas do TAC, o Ministério Público expedirá notificação â Câmara para que a situação seja corrigida no prazo de 48 horas, sob pena de adoção de medidas para o cumprimento forçado das obrigações.

MAIS NOTÍCIAS

ELETRO CLIC
ADRIANO CONRADO
ROGÉRIO CALÇADOS
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
RÁDIO SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA BOM PASTOR
OLIDATA
LAVAGEM FERNANDES
SUPER SÃO JOSÉ
ART MÓVEIS
MIX BEBIDAS
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +