Polícia

Operação combate esquema de distribuidora de medicamentos que deve R$ 150 milhões em ICMS

São cumpridos, na manhã desta quarta-feira, oito mandados de busca e apreensão em residências na capital e em seis empresas em Canoas
04/12/2019 - 10h00min Rádio Guaíba Corrigir

O Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos do Rio Grande do Sul (CIRA/RS), realiza uma ofensiva para combater um esquema de um grupo de empresas do ramo farmacêutico que deve cerca de R$ 150 milhões em ICMS. São cumpridos, na manhã desta quarta-feira, oito mandados de busca e apreensão em residências na capital e em seis empresas em Canoas. O CIRA é formado pelo Ministério Público, Receita Estadual e Procuradoria-Geral do Estado.

As investigações começaram a partir de relatório de verificação fiscal da Receita Estadual e apontam uma fraude fiscal estruturada em que um grupo familiar empresarial é suspeito de praticar crimes como sonegação de impostos, blindagem patrimonial para a ocultação dos efetivos administradores e beneficiários do esquema, além de organização criminosa. O grupo detém a operação de um conglomerado formado por uma atacadista de medicamentos com sede em Canoas e empresas que distribuem os remédios farmácias de todo o país.

Conforme o MP, o chefe da organização criminosa seria o proprietário de uma atacadista de medicamentos. Para praticar as fraudes tributárias, ele criava empresas em nomes de familiares e laranjas. Pelo menos dez empresas que foram baixadas, além das que estão em atividade atualmente, devem R$ 150 milhões em ICMS. Dessa forma, os investigados blindaram o patrimônio das responsabilidades administrativas, fiscais e criminais, fazendo com que o Estado não consiga reaver o tributo sonegado. O patrimônio foi realocado em outras empresas, que seguem as atividades, até serem descartadas e substituídas por novas.

Foram abertos diversos procedimentos fiscais em relação à empresa desde sua instalação, com a emissão de autos de lançamento por sonegação ou recolhimento incorreto do ICMS. Atualmente, existem 179 débitos em cobrança judicial.

Segundo o promotor de Justiça Aureo Braga, a forma de operação do grupo empresarial transborda a sonegação. As fraudes tributárias repercutem na concorrência desleal em razão de não pagar os impostos, vendendo mercadorias abaixo dos patamares normais e retirando do mercado ou impondo dificuldades para as empresas que trabalham na legalidade.

Cobrança por substituição tributária

Desde 1994, os Estados passaram a cobrar o ICMS devido na venda de medicamentos por meio de Substituição Tributária, aumentando a responsabilidade dos fabricantes, distribuidores e vendedores atacadistas. É de responsabilidade dos atacadistas o recolhimento do ICMS, em substituição às farmácias. A adoção da Substituição Tributária é extremamente benéfica para o Estado, pois incrementando a arrecadação e diminuindo a pulverização da fiscalização em pequenos estabelecimentos.

No entanto, os empresários investigados viram uma maneira de potencializar seus ganhos, não pagando aos cofres públicos o tributo devido. Eles utilizavam laranjas e empresas satélites para acúmulo e ocultação patrimonial, além de usar os valores sonegados para alavancar suas operações. Essa situação acarreta em concorrência desleal e faz com que os impostos pagos pelos contribuintes na aquisição dos medicamentos não seja recolhido pelo estado e retorne aos cidadãos em forma de serviços públicos.

 

MAIS NOTÍCIAS

FUNERÁRIA BOM PASTOR
ADRIANO CONRADO
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
RÁDIO SÃO JOSÉ
LAVAGEM FERNANDES
Petroman
ELETRO CLIC
ROGÉRIO CALÇADOS
OLIDATA
ART MÓVEIS
SUPER SÃO JOSÉ
GRUPO WHATSAPP
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +