Justiça

Justiça Federal condena Dnit a realizar obras que evitem atropelamento de animais no Taim

Prometidas para o fim de 2019, intervenções na BR-471, em Rio Grande, ainda não saíram do papel
04/12/2019 - 10h05min Rádio Guaíba Corrigir

A 2ª Vara Federal de Rio Grande condenou o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) a elaborar e executar projeto de engenharia com medidas que evitem o atropelamento de animais, na BR-471, no trecho que intercepta a Estação Ecológica do Taim.

A sentença é do juiz Gessiel Pinheiro de Paiva, que também condenou a autarquia a pagar indenização por danos ao meio ambiente, fixada provisoriamente em R$ 500 mil. Os recursos devem ser revertidos para a realização das obras no Taim. Cabe recurso ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Morosidade

O Ministério Público Federal (MPF) ingressou com a ação, em 2017, também contra o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), narrando a morosidade do Dnit para prevenir acidentes e reduzir os impactos da malha rodoviária sobre a fauna silvestre do ecossistema, que é protegido.

Em 1998, a rodovia ganhou um sistema de telamento e mata-burro elevado, assim como túneis para passagem de animais sob a pista e dispositivos voltados à redução de velocidade. As telas foram destruídas em 2002, em razão das cheias, e só em 2005 o local recebeu, em doação, material necessário à recuperação do sistema de proteção. Ainda conforme o relato do MPF, o Dnit resolveu segmentar o processo, deixando para um segundo momento a reparação dos mata-burros, concluídas 12 anos depois, em 2017.

Termo de Compromisso

O MPF salientou, porém, que as estruturas são relativamente frágeis e carecem de manutenção contínua. Enfatizou, ainda, que, em 2014, firmou com o Dnit um Termo de Compromisso que obriga a autarquia a adotar medidas de segurança e responsabiliza o Ibama a emitir a licença de regularização ambiental da rodovia. O Termo, porém, não cita prazos para conclusão.

O Dnit esclareceu, ao se defender, que vai implementar as obras solicitadas mas que o cronograma de entregas referente à BR-471 termina “no fim de 2019”. Também alegou culpa exclusiva ou concorrente dos condutores de veículos no atropelamento de animais na rodovia.

Já o Ibama afirmou já terem sido propostas pelo Dnit e aprovadas no órgão as medidas para minimizar os impactos da malha rodoviária na Estação Ecológica.

Sentença define prazos de implantação

O juiz federal pontuou que o Dnit “não nega que tenha de adotar medidas de proteção a fauna na BR 471 no trecho da ESEC-Taim, porém, sustenta que primeiramente é necessário licitar Estudo Ambiental e Projeto de Engenharia para após licitar a obra”. Entretanto, observou que o prazo para isso termina em um mês, sem que, até agora, “nada tenha sido feito”.

Paiva julgou parcialmente procedente a ação condenando o Dnit a licitar e executar estudo ambiental para adotar medidas de proteção à fauna em até seis meses. Após a conclusão dessa etapa, o Departamento deve licitar o Projeto de Engenharia dentro de mais dois meses, já incluída nesse tempo a entrega do estudo técnico. Com o projeto aprovado e licenciado pelo Ibama, a licitação para execução da obra deve ser iniciada nos dois meses seguintes, e o início da obra no prazo máximo de 30 dias após a contratação.

MAIS NOTÍCIAS

ART MÓVEIS
ELETRO CLIC
JOMAR GÁS
Lucas Imobiliária
ADRIANO CONRADO
FUNERÁRIA JARDIM
SPEED CAR
ROGÉRIO CALÇADOS
OLIDATA
SUPER SÃO JOSÉ
RÁDIO SÃO JOSÉ
PEGLOW
FUNERÁRIA BOM PASTOR
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
GRÁFICA.COM
Petroman
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +