Polícia

Família de presa por racismo em BH se desculpa e diz que ela tem transtornos psíquicos

Natália Burza Gomes Dupin, de 36 anos, teria dito: 'Eu não gosto de negro, sou racista, sou racista mesmo'. Irmãos dizem que tentavam vaga em hospital psiquiátrico e pedem compaixão
08/12/2019 - 14h49min Corrigir

A família de Natália Burza Gomes Dupin, de 36 anos, presa semana passada por injúria racial a um taxista, divulgou nota neste domingo (8) pedindo desculpas à vítima e alegando que ela tem problemas psíquicos. Segundo a família, ela sofre há anos de problemas mentais e "já agrediu de forma física e moral muitas pessoas, inclusive sua própria família". "Pedimos compaixão."

Veja também: Totens “Eu amo Camaquã” custaram mais de R$ 13 mil aos cofres públicos

Natália foi presa quinta-feira (5) depois de dizer ao taxista Luiz Carlos Alves Fernandes, de 51 anos, que precisava de um táxi, mas que não seria o dele porque não andava com "preto". Segundo a PM, o motorista alegou que a mulher não poderia dizer aquilo, porque era crime; ela respondeu: "eu não gosto de negro, sou racista, sou racista mesmo". E, na sequência, cuspiu no pé dele. Fernades chamou a PM, que a prendeu. Uma das policiais foi chamada por ela de "sapata".

Ela deixou a delegacia aos gritos de "racista". Natália ficou presa até sábado (7), quando a Justiça determinou sua liberdade provisória mediante pagamento de fiança no valor de R$ 10 mil.

Na nota, a família pede desculpas ao taxista e a todos os envolvidos. "Racismo é um a realidade brutal e inaceitável", afirmam. "Sabemos que alegar doença mental no nosso país é algo que foi banalizado. Não é esse o caso (...) Já foi internada, já recebeu eletroconvulsoterapia", diz a família, que também relatou que tentava, na semana da prisão, tentava uma vaga para ela em hospital psiquiátrico.

Leia a íntegra da nota oficial divulgada pela família:

"Precisamos falar sobre isso.

Sentimos muito pelo que aconteceu com o Sr. Luís Carlos Alves Fernandes e com todos os envolvidos. Pedimos sinceras desculpas àqueles que sofrem preconceito diariamente em nosso país. Podem ter certeza, doeu em todos nós.

Racismo é um a realidade brutal e inaceitável.

Mas quero informar algo que ainda não foi publicado. A Natália é uma pessoa com transtornos psíquicos. Atestada há anos por profissionais da saúde. Sabemos que alegar doença mental no nosso país é algo que foi banalizado. Não é esse o caso.

Nossa irmã já tentou suicídio por diversas vezes, já agrediu de forma física e moral muitas pessoas, inclusive sua propria família que é quem a protege e a ama (independentemente da cor, orientação sexual, crença etc). Já foi internada, já recebeu eletroconvulsoterapia. Nas últimas semanas, tentávamos uma vaga em um hospital psiquiátrico, mas infelizemente, não conseguimos. Essa também é outra realidade inaceitavel.

Para quem não conhece a doença, ela altera o comportamento e produz uma neurose e mania de perseguição, além de causar um comportamento agressivo e imprevisível. Só quem tem alguém próximo com essa doença pode entender a dor que passamos há anos e estamos passando agora. Pedimos compaixão.

Precisamos falar sobre racismo. Também precisamos falar sobre transtornos psíquicos que atingem de forma universal milhões de pessoas.

Assinam esta nota os irmãos."

MAIS NOTÍCIAS

FUNERÁRIA CAMAQUENSE
ART MÓVEIS
ROGÉRIO CALÇADOS
ELETRO CLIC
OLIDATA
PADARIA ESTRELA
ADRIANO CONRADO
RÁDIO SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA BOM PASTOR
SUPER SÃO JOSÉ
RESTAURANTE COME COME
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +