Justiça

Major e capitão da Brigada Militar são réus por matar animais silvestres em Canoas

Militares teriam atirado em tartaruga e pássaro biguá dentro do batalhão. Ministério Público denunciou a dupla em abril e pedido foi acatado pela Justiça Militar
10/12/2019 - 21h43min Corrigir

Um major e um capitão do 15º Batalhão da Polícia Militar (15º BPM) de Canoas, Região Metropolitana de Porto Alegre, são réus por matar animais silvestres. Eles teriam atirado, sem autorização, em uma ave e em um cágado enquanto estavam numa área interna do batalhão, em 2017.

O processo está em andamento na Justiça Militar. Na semana passada, a defesa do major entrou com pedido para anular o processo. O Ministério Público se manifestou contrário. Segundo a JM, a petição ainda não foi julgada e aguarda, junto ao Conselho Especial de Justiça, a definição de uma data.

A denúncia do Ministério Público (MP-RS) é de abril, e foi acolhida pela 2ª Auditoria Militar de Porto Alegre em maio. O processo está em fase de instrução, quando as testemunhas são ouvidas.

O capitão é representador pela Defensoria Pública. Ao G1, a assessoria informou que está acompanhando o caso e falará, por ora, apenas nos autos do processo. A reportagem também tenta contato com o advogado do major.

De acordo com o tenente-coronel Cilon Freitas da Silva, um Inquérito Policial Militar (IPM) feito na época concluiu que houve transgressão às técnicas militares, no caso do major, enquanto o capitão, no entendimento da BM, cometeu transgressão alguma.

A Brigada Militar informou que aguarda a conclusão do processo na Justiça Militar.

A denúncia do MP diz que os militares mataram os animais "sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente”. Os animais estavam próximos a um açude dentro do batalhão.

Após matar os animais, os militares teriam pendurado o pássaro em uma árvore, conforme a denúncia. Eles devem responder por crime ambiental, cuja pena de detenção varia de seis meses a um ano mais multa.

 
Trecho da denúncia do MP sobre as mortes dos animais — Foto: Reprodução/MPTrecho da denúncia do MP sobre as mortes dos animais — Foto: Reprodução/MP

Trecho da denúncia do MP sobre as mortes dos animais — Foto: Reprodução/MP

Os dois policiais militares seguem trabalhando e não foram afastados da BM durante o processo. O tenente-coronel Cilon informou que, atualmente, o capitão é comandante do policiamento da BM em Taquari, no Vale do Taquari. Já o major tornou-se tenente-coronel e atua na Casa Militar como assessor pessoal do vice-governador e secretário de Segurança Pública do RS, Ranolfo Vieira Júnior.

MAIS NOTÍCIAS

SPEED CAR
FUNERÁRIA JARDIM
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
GRÁFICA.COM
ADRIANO CONRADO
SUPER SÃO JOSÉ
RÁDIO SÃO JOSÉ
JENIFER
PEGLOW
ART MÓVEIS
ROGÉRIO CALÇADOS
FUNERÁRIA BOM PASTOR
Petroman
ELETRO CLIC
ECONÔMICA MÓVEIS E ELETRO
OLIDATA
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +