Polícia

Número de assaltos a ônibus em Porto Alegre tem queda de 78%, diz estudo

Dados dos últimos quatro anos são baseados no levantamento da Carris, de consórcios e informações da Brigada Militar e Polícia Civil
13/12/2019 - 14h20min Corrigir

Os assaltos a ônibus em Porto Alegre tiveram uma queda de 78% nos últimos quatro anos desde a criação da Força-Tarefa de Combate a Roubos no Transporte Coletivo da Capital. Os dados foram divulgados durante a última reunião do ano do Fórum do Transporte Seguro, com base no levantamento da Carris, dos consórcios e informações da Brigada Militar e Polícia Civil. Conforme o estudo, tornado público nesta sexta-feira, o número de roubos passou de 855, entre de janeiro a novembro de 2016, para 185 no mesmo período em 2019. Mais de 308 prisões de envolvidos na prática de roubos ao transporte coletivo foram feitas desde março de 2016. Agora em 2019, entre janeiro e novembro, já são 74 presos.

Segundo o delegado Daniel Mendelski, da Delegacia de Polícia de Repressão a Roubos em Transporte Coletivo, lembrou que “a redução é fruto de um trabalho integrado com as forças de segurança, Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), empresas e das tripulações que vêm auxiliar nos reconhecimentos e nos depoimentos”. Para ele, com “todo mundo se ajudando, a pessoa que deseja cometer o crime acaba não obtendo o sucesso esperado”.

O Chefe do Estado Maior do Comando de Policiamento da Capital (CPC) da BM, tenente coronel Danúbio Lisboa, destacou a importância da integração de informações e ações para os resultados obtidos. “Não adiantava só a Brigada Militar prender, a Polícia Civil fazer a parte da investigação e a EPTC melhorar o sistema. Hoje, com o sistema integrado, conseguimos diminuir drasticamente o número de assaltos a transporte coletivo em Porto Alegre”, afirmou. Segundo Lisboa, a efetividade das medidas implementadas decorre do aprimoramento das estratégias. "Nós temos horários de pico, temos zonas específicas, então a ação é naquele local, ela é mais pontual, e isso faz com que ela seja mais efetiva”, destacou.

Já a Guarda Municipal reforçou o efetivo em alguns terminais de ônibus e em determinados horários que foram identificados como mais sensíveis. “O trabalho da segurança pública começa fracassado se uma só instituição entender que vai trazer para si a responsabilidade, então nada vai funcionar se não houver uma integração entre os órgãos, independente da esfera de governo”, avaliou o chefe de equipe operacional da GM, Franklin dos Santos Filho.

MAIS NOTÍCIAS

ECONÔMICA MÓVEIS E ELETRO
ELETRO CLIC
ADRIANO CONRADO
PEGLOW
FUNERÁRIA JARDIM
Petroman
OLIDATA
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
Lucas Imobiliária
GRÁFICA.COM
JENIFER
ROGÉRIO CALÇADOS
RÁDIO SÃO JOSÉ
JOMAR GÁS
FUNERÁRIA BOM PASTOR
SPEED CAR
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +