Educação

Greve do magistério não tem previsão de término e recuperação das aulas deve seguir até fim de janeiro

A greve dos professores do Estado completou um mês neste sábado
15/12/2019 - 20h23min Jornal do Comércio Corrigir
Após o anúncio das mudanças no pacote do funcionalismo desta quarta-feira (12), a greve do magistério deve seguir no mesmo ritmo e não tem previsão de término. Segundo a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), as aulas devem ser recuperadas durante o mês de janeiro, incluindo sábados.
 
A greve dos professores do âmbito estadual completa um mês neste sábado (14). O término do ano letivo estava previsto para quinta-feira (19). De acordo com a Seduc, dependendo da continuidade da paralisação, as aulas podem se estender até fevereiro.
 
Segundo a secretária-geral do Cpers, Candida Rossetto, a obrigação de recuperar as aulas é do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. “Nós conhecemos muito bem a legislação. Nós temos a obrigação de completar os 200 dias letivos. Quando fazemos greve, somos pagos para recuperar as aulas. Não vamos recuperar aulas que não recebemos para dar”, afirmou a professora aposentada.
 
A justiça negou a liminar do Cpers sobre o corte no ponto dos professores no dia 4 de dezembro. “Os professores têm direito a 45 dias de férias durante o ano. Temos obrigação de cumprir com as aulas, mas o governo tem a obrigação de nos pagar”.
 
Os alunos de 3º ano estão concluindo o ensino médio e, possivelmente, prestando o vestibular. Segundo Rossetto, o aluno que for realizar as provas para ingresso em universidades deve levar um atestado que diz que está cursando o último ano. “Nós não temos intenção de prejudicar nenhum aluno. Eles estão nos apoiando massivamente. Se houver algum problema, o governador precisa resolver isso”, afirma.
 
Sobre os alunos de 3º ano, a Seduc não forneceu orientação. Segundo a secretaria, o diploma só será entregue após recuperação das aulas e cada caso deve ser analisado individualmente.
 
Segundo balanço da Secretaria Estadual da Educação (Seduc), atualizado na manhã desta sexta-feira (13), 331 escolas estaduais aderem totalmente à greve, e cerca de 650 se mantêm com paralisação parcial. “Mais de 60% das atividades se mantêm, e pode ser um ou dois funcionários que aderiram à paralisação”, afirmou a secretaria, em nota. No último balanço do Cpers-Sindicato, do dia 5 de dezembro, do total de 2.500 escolas no Estado, 1.539 aderiram à greve - parcial ou totalmente.

MAIS NOTÍCIAS

SUPER SÃO JOSÉ
ROGÉRIO CALÇADOS
ART MÓVEIS
RESTAURANTE COME COME
RÁDIO SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
OLIDATA
ADRIANO CONRADO
FUNERÁRIA BOM PASTOR
PADARIA ESTRELA
ELETRO CLIC
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +