Polícia

Escrivães e investigadores da Polícia Civil iniciam greve no Rio Grande do Sul

Sindicato da categoria está conversando com parlamentares para tentar retirar apoio a votação do pacote do governo a partir desta terça-feira
16/12/2019 - 14h24min Corrigir

A greve dos policiais civis começou, nesta segunda-feira, em todo o Rio Grande do Sul. Em Porto Alegre, a Ugeirm Sindicato montou o tradicional acampamento na calçada do Palácio da Polícia, no cruzamento das avenidas João Pessoa e Ipiranga. Durante a manhã, o presidente da entidade, Isaac Ortiz, percorreu os gabinetes dos deputados estaduais na Assembleia Legislativa para explicar os prejuízos do pacote do governo para a categoria e toda a área da segurança pública.

Ele garantiu o atendimento à população nos casos mais graves, como homicídios, latrocínios, feminicídios, Lei Maria da Penha com pedido de medidas protetivas, crianças vítimas, estupros e prisões em flagrante com análise criteriosa da autoridade policial, entre outras ocorrências. “O que está sendo prejudicado são as operações, o planejamento das ações, o cumprimento de mandados judiciais e os serviços cartorários”, esclareceu.

Diligências e investigações, confecção de inquéritos e termos circunstanciados, além da circulação de viaturas, foram suspensas. “Nenhum criminoso deixará de ir para a cadeia se for necessário”, garantiu.

O líder sindical citou que as medidas do pacote do governo Leite afetam direitos dos policiais civis e desestimulam a carreira, tais como o aumento das alíquotas previdenciárias para servidores da ativa e inativa e alterações em promoções e pensões. “Sem falar que os salários estão atrasados há mais de quatro anos”, observou.

“A economia que o governo quer fazer é tirar do servidor público. Essa economia não atinge os privilégios e as isenções tributárias de vários setores. O governo quer economizar em cima dos servidores. Esta é nossa indignação”, declarou o dirigente. Isaac Ortiz disse que, nesta terça-feira, as categorias da área da segurança pública estarão concentradas na Praça da Matriz, em frente da Assembleia Legislativa, no Centro de Porto Alegre. “Vamos botar o bloco na rua”, assegurou.

MAIS NOTÍCIAS

SUPER SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA CONCÓRDIA
FUNERÁRIA BOM PASTOR
ADRIANO CONRADO
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
LAVAGEM FERNANDES
OLIDATA
ROGÉRIO CALÇADOS
Petroman
ELETRO CLIC
GRUPO WHATSAPP
BRICK DO TOMAZ
RÁDIO SÃO JOSÉ
ART MÓVEIS
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +