Economia

Com carnes em alta, inflação dos mais pobres sobe mais do que a dos ricos, diz Ipea

Preços dos alimentos pesam mais sobre o orçamento das famílias mais pobres do que a alta dos combustíveis, que impacta mais sobre as pessoas de maior renda
14/01/2020 - 14h33min Corrigir

Por causa dos preços das carnes, a inflação das famílias mais pobres foi de 1,19% em dezembro, contra 0,99% para as famílias de maior poder aquisitivo, mostra o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda, divulgado nesta terça-feira, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Com isso, enquanto o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador de preços calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), fechou 2019 em 4,31%, a inflação para os mais pobres ficou em 4,43% no ano passado e a dos mais ricos, em 4,16%.

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda decompõe o IPCA por faixas de renda. A faixa mais pobre tem renda domiciliar abaixo de R$ 900 mensais por família. A faixa mais rica tem renda domiciliar acima de R$ 9 mil mensais por família.

Em dezembro, as carnes e os combustíveis foram os vilões da inflação. Por isso, segundo o Ipea, "o aumento de 4,69% nos preços dos alimentos no domicílio foi o principal responsável pelo incremento inflacionário das famílias mais pobres", enquanto a alta de 1,54% do grupo Transportes foi o principal foco de pressão sobre a inflação das famílias mais ricas.

"Por ser o grupo com maior peso na cesta de consumo das famílias mais pobres, a alta do grupo 'alimentação e bebidas' contribuiu com 1,16 ponto porcentual (p.p.) para a inflação desse segmento da população, com destaque negativo para os reajustes de cereais (5,73%), tubérculos (6,4%), carnes (18,1%) e aves e ovos (4,48%)", diz nota divulgada pelo Ipea.

Embora os ricos também tenham enfrentado a alta nos preços dos alimentos, o peso desses itens na cesta de consumo dessas famílias é menor, reduzindo a aceleração na inflação média.

"Em contrapartida, os reajustes de 15,6% das passagens aéreas e de 3,57% dos combustíveis geraram uma contribuição do grupo transportes de 0,43 p.p. para a inflação da faixa de renda mais alta", continua a nota do Ipea.

A inflação de dezembro só não acelerou mais por causa da conta de luz. "A queda de 4,24% do preço da energia elétrica gerou um alívio inflacionário em todas as faixas de renda, limitando uma aceleração ainda maior das taxas de variação apresentadas em dezembro", afirma a nota do Ipea.

MAIS NOTÍCIAS

ELETRO CLIC
ADRIANO CONRADO
FUNERÁRIA CONCÓRDIA
ART MÓVEIS
GRUPO WHATSAPP
ROGÉRIO CALÇADOS
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
BRICK DO TOMAZ
Petroman
LAVAGEM FERNANDES
OLIDATA
FUNERÁRIA BOM PASTOR
SUPER SÃO JOSÉ
RÁDIO SÃO JOSÉ
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +