Rural

Estiagem afeta preço e qualidade de hortaliças, frutas e milho verde

Com o forte calor dos últimos dias, muitas plantações secaram, prejudicando a qualidade das folhas
15/01/2020 - 15h08min Jornal do Comércio Corrigir
Um dos mais típicos produtos de verão, o milho verde, não passou incólume pela estiagem que danificou lavouras Estado a fora. Com a quebra na safra, o preço do produto que está chegando ao consumidor subiu consideravelmente neste início de ano. Isso quando chega, porque em alguns pontos de venda está até em falta.
Na Ceasa, em Porto Alegre, por exemplo, o quilo do milho verde subiu 108%, de uma média de R$ 1,20 o quilo (equivalente a três espigas) em janeiro de 2019 para os R$ 2,50 na maior parte dos negócios entre produtores e atacadistas no dia 14 de janeiro, por exemplo. O item teve a maior alta nos valores nos últimos dias, juntamente com o repolho verde e o chuchu, diz gerente técnico da Ceasa, Claiton Clovelo.
“Há danos em muitos hortigranjeiros relacionados à estiagem. Além da escassez de alguns, o que eleva o preço, como em uma Bolsa de Valores”, explica Clovelo.
Em folhosas como alface, uma hortaliça já tradicionalmente irrigada e produzida em estufas, o consumidor não deve sentir grandes variações de preços, avalia o representante da Ceasa. Mas o presidente da Associação dos Produtores da Ceasa, Evandro Finker, alerta que, a continuidade das temperaturas muito elevadas pode afetar a produção nos próximos dias. Isso porque, com a baixa nos poços artesianos de muitos agricultores, o fornecimento de água para as plantas está em risco.
“Além disso, uma sequência de dias de muito calor, como ocorreu entre o Natal e o Ano Novo, por exemplo, facilita o aparecimento de doenças em folhosas, reduzindo a produção e a qualidade”, explica Finker.
Já em casos como do repolho verde, o preço da unidade praticamente dobrou desde o início do ano, de R$ 1 no final de dezembro para até R$ 2 nesta semana. Com o clima tórrido, muitas plantações murcharam e secaram, diz o gerente da Ceasa. No caso do repolho, diz o presidente da associação dos produtores, primeiro houve perdas com o excesso de chuva perto da colheita, no final do ano passado, com apodrecimento do produto no solo. Feito o replantio, lamenta Finker, veio a falta de água para alimentar a nova lavoura, infligindo novos prejuízos aos agricultores.
Também ficou mais caro o quilo do chuchu, duramente afetado em suas parreiras. Do fim de 2019 para cá, já houve uma alta de quase 70% no chuchu, que passou, no atacado, de R$ 1,50 no dia 30 de dezembro para cerca de R$ 2,50 nesta semana, detalha Clovelo.
O excesso de calor e falta de umidade afetou não apenas preços, mas o desenvolvimento das frutas também. Os danos são variados. Típica dessa época, a ameixa regista alta que pode alcançar próximo de 100%, passando de uma média de R$ 3,68 neste mesmo período do ano, em 2019, para os atuais R$ 7.
Em itens como uva, cujas perdas nos parreirais da serra gaúcha são estimadas em cerca de 30% até o momento, a cotação média do quilo era de R$ 3,89 em janeiro de 2019 e passou para R$ 5 no último dia 14 - ou seja, 28% a mais. Em frutas como a melancia, há perda de tamanho e de qualidade.
“As melancias desta safra estão com menos concentração de açúcar, em muitas lavouras, como em Encruzilhada do Sul, grande produtora aqui do Estado, com registro de frutas mais amareladas, por exemplo”, relata o gerente da Ceasa.
O impacto na produção, em rentabilidade e produtividade, também afeta o cultivo de abacaxis em Terra de Areia, cita Finker. Na região, mesmo onde não há perdas, a colheita está sendo marcado por frutas de menor porte.

MAIS NOTÍCIAS

SPEED CAR
ELETRO CLIC
OLIDATA
FUNERÁRIA BOM PASTOR
ADRIANO CONRADO
GRÁFICA.COM
PEGLOW
FUNERÁRIA JARDIM
RÁDIO SÃO JOSÉ
JOMAR GÁS
JENIFER
ECONÔMICA MÓVEIS E ELETRO
ROGÉRIO CALÇADOS
ALEXANDRE AR CONDICIONADO
SUPER SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +