Esportes

Justiça suíça indicia presidente do PSG e ex-secretário da Fifa por corrupção

Dirigentes foram indiciados "no contexto da atribuição dos direitos de transmissão de diferentes Copas do Mundo e Copas das Confederações
20/02/2020 - 09h47min Corrigir

A Justiça da Suíça anunciou nesta quinta-feira (20) que indiciou o presidente do Paris Saint-Germain e do grupo beIN Media, Nasser Al Khelaifi, e o ex-secretário-geral da Fifa Jérôme Valcke em um caso de corrupção ligado à "atribuição dos direitos de TV da Copa do Mundo. Em um comunicado, o gabinete do procurador-geral suíço (MPC) informou ter indiciado os dois dirigentes "no contexto da atribuição dos direitos de transmissão de diferentes Copas do Mundo e Copas das Confederações da Fifa".

O MPC acusa Valcke de "corrupção passiva, gestão desleal múltipla e falsificação de documentos", enquanto Al-Khelaifi e outro empresário, que também atua na área dos direitos de transmissão de eventos esportivos, mas que não teve o nome divulgado pela Justiça suíça, são acusados de "instigação à gestão desleal cometida" pelo ex-secretário-geral da Fifa. O terceiro homem também foi acusado de "corrupção ativa".

De acordo com o MPC, Valcke utilizou, entre 2013 e 2015, sua influência como secretário-geral da Fifa "para favorecer os grupos de comunicação de sua preferência nos processos de disputa dos direitos de transmissão, para Itália e Grécia, de várias Copas do Mundo e Copas das Confederações no período de 2018 a 2030". A investigação revelou, segundo a Procuradoria, que Valcke recebeu pagamentos indevidos dos dois coacusados.

O ex-número dois da Fifa também obteve, conforme a Justiça suíça, o reembolso de um depósito de quase 500.000 euros que havia transferido para terceiros por uma residência na Sardenha, depois da compra do imóvel por Al-Khelaifi, através de uma empresa. Valcke obteve depois de Al-Khelaifi o direito de utilizar a residência de modo exclusivo por um período de 18 meses no total - até sua suspensão da Fifa - sem pagar o aluguel, calculado entre 900.000 e 1,8 milhão de euros.

Além disso, Valcke recebeu do terceiro homem três pagamentos por um valor total de 1,25 milhão de euros a sua empresa Sportunited Sarl. O MPC acusa Valcke de enriquecimento ilegal e de não ter revelado os "benefícios" recebidos à Fifa, um comportamento contrário a seus deveres no âmbito de sua atividade como secretário-geral" da entidade.

MAIS NOTÍCIAS

ROGÉRIO CALÇADOS
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
ADRIANO CONRADO
GRÁFICA.COM
FICA EM CASA
JENIFER
OLIDATA
FUNERÁRIA BOM PASTOR
RÁDIO SÃO JOSÉ
ART MÓVEIS
SPEED CAR
SUPER SÃO JOSÉ
ELETRO CLIC
ECONÔMICA MÓVEIS E ELETRO
Petroman
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +