Geral

Vale sabia de riscos em Brumadinho desde 2003, diz comissão de investigação

Além das investigações, a ex-ministra do STF sugeriu uma série de recomendações para evitar novos desastres
21/02/2020 - 15h15min Jornal do Comércio Corrigir

A Vale sabia, pelo menos desde 2003, de fragilidades na barragem que se rompeu em Brumadinho (MG) e, apesar de alertas, não há indícios de que tenha estudado a retirada das instalações administrativas da área de risco.

Essas são as conclusões de relatório da comissão independente de investigação contratada pela mineradora para apurar o rompimento de barragem da mina Córrego do Feijão, que deixou 270 mortos em janeiro de 2019.

A Vale divulgou um sumário do relatório na noite de quinta (20). O trabalho foi realizado por equipe coordenada por Elle Gracie, ex-ministra do Supremo Tribunal federal (STF). Além das investigações, sugeriu uma série de recomendações para evitar novos desastres.

Segundo a comissão, já havia informações sobre a fragilidade da barragem mesmo antes da compra da Ferteco, sua antiga dona, pela Vale. "Tais informações tornaram-se especialmente relevantes após o rompimento da barragem de Fundão, da Samarco, ocorrido em novembro de 2015", diz o relatório.

Em 2016, novos estudos teriam indicado que as condições da barragem eram frágeis. Em 2017, novas avaliações indicavam "condição de estabilidade apenas marginal". A comissão apurou que houve resistência da área geotécnica da companhia para aceitar esses resultados.

"Evidências obtidas pela investigação sugerem que a paralisação da disposição de rejeitos na barragem, em julho de 2016, foi determinada pelo então diretor executivo de Ferrosos [Peter Poppinga], possivelmente em razão de preocupações de segurança", afirma o relatório.

A comissão afirma que, apesar do conhecimento sobre as fragilidades da barragem e do impacto eventual de seu rompimento, "não foram identificadas evidências de estudos e/ou medidas visando à remoção das instalações administrativas a jusante [abaixo]".

O plano de segurança da barragem previa inundação das instalações em questão de segundos, como de fato ocorreu após o rompimento. Dos 270 mortos, 250 era funcionários da Vale. Em janeiro, o Ministério Público Estadual denunciou 16 pessoas por homicídio doloso.

A comissão diz que uma das possíveis razões para a não divulgação dos problemas é a estrutura das áreas de negócio da companhia, que são tratadas como "silos", com característica fechada. "Os temas e problemas eram tratados na área e não eram expostos fora dela".

Para a gestão da companhia, o relatório não trouxe fatos que já não estejam sendo apurados pelas autoridades. "Nenhuma surpresa", disse nesta sexta (21) o consultor-geral da companhia, Alexandre D'Ambrósio, em teleconferência para comentar o resultado de 2019.

Segundo ele, o relatório usa as mesmas informações que já foram disponibilizadas para o Ministério Público e para as polícias. "No nosso ponto de vista, não altera em nada o que já foi colocado [em termos de ações judiciais e denúncias]".

Com impactos de gastos com de indenizações de reparação da área atingida, a Vale registrou prejuízo de R$ 6,7 bilhões em 2019. Cerca de R$ 29 bilhões já foram separados para pagar famílias e cobrir custos de remediação ambiental e de descaracterização de outras barragens semelhantes.

No balanço, a companhia calculou ainda gasto adicional entre R$ 4 bilhões e R$ 8 bilhões com possíveis acordos para encerrar ações civis públicas movidas na Justiça pelo Ministério Público de Minas Gerais. A ideia é trocar as multas por investimentos.

Aos analistas, a empresa disse que eventual acordo reduziria insegurança jurídica em relação ao seu balanço. "O acordo tem que ser bom para ambas as partes. Se é tão bom para nós suspender as ações, as autoridades estão pedindo algo a mais", comentou o diretor financeiro da companhia, Luciano Siani.

Na teleconferência, o presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, afirmou que a lista de recomendações sugerida pela comissão externa de investigações está em linha com medidas que a Vale já vinha adotando após a tragédia, como avaliação de riscos em barragens semelhantes e revisão de planos de emergência das barragens.

MAIS NOTÍCIAS

ELETRO CLIC
ART MÓVEIS
FICA EM CASA
ROGÉRIO CALÇADOS
Petroman
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
SPEED CAR
GRÁFICA.COM
SUPER SÃO JOSÉ
ADRIANO CONRADO
JENIFER
ECONÔMICA MÓVEIS E ELETRO
RÁDIO SÃO JOSÉ
OLIDATA
FUNERÁRIA BOM PASTOR
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +