Educação

Covid-19: UFPel coordena estudo populacional sobre a pandemia no RS

A pesquisa incluirá quatro inquéritos populacionais realizados a cada duas semanas por meio de visitas domiciliares, quando os participantes serão submetidos a um teste rápido para o vírus da Covid-19
26/03/2020 - 11h13min Assessoria de Imprensa Epidemiologia UFPel Corrigir

A Universidade Federal de Pelotas (UFPel) coordena proposta para o primeiro estudo populacional sobre a pandemia da Covid-19 no Rio Grande do Sul, em parceria com outras universidades gaúchas e o Governo do Estado. A pesquisa irá levantar a proporção de casos de infecção, incluindo pessoas sem sintomas, e a evolução da doença por meio de uma amostragem dos participantes nas oito regiões intermediárias do Rio Grande do Sul segundo critério do IBGE: Pelotas, Santa Maria, Uruguaiana, Ijuí, Passo Fundo, Caxias do Sul, Santa Cruz do Sul/Lajeado e região metropolitana de Porto Alegre.

A pesquisa incluirá quatro inquéritos populacionais realizados a cada duas semanas por meio de visitas domiciliares, quando os participantes serão submetidos a um teste rápido para o vírus da Covid-19. Ao todo, serão aplicados 18 mil testes – 4,5 mil por rodada de exames, com distribuição de quinhentos por cidade e um mil para a região metropolitana de Porto Alegre. Os kits de testes serão fornecidos pelo Governo do Estado. A previsão é de que o estudo tenha início dentro das próximas duas semanas. O levantamento é uma iniciativa da Secretaria de Saúde do RS, da Vigilância Epidemiológica e do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, em parceria com a UFPel. Outras universidades gaúchas ainda poderão fazer parte do projeto.

“Até o momento, não há dados no mundo sobre a prevalência populacional de infecção pelo COVID-19”, destaca o reitor da UFPel e coordenador geral do estudo, Pedro Curi Hallal. “O Rio Grande do Sul poderá ser pioneiro, não apenas no Brasil, na disponibilização de dados concretos sobre o percentual de infecção e a velocidade de expansão da doença”, acrescenta Hallal.

O epidemiologista Aluisio Barros, integrante da equipe responsável pela metodologia do estudo, diz que “até agora, não sabemos qual o grau de circulação do vírus da Covid-19, porque grande parte dos casos, em torno de 80 a 85%, tem sintomas leves ou mesmo não apresentam sintomas, embora contribuam para a transmissão da doença. Nosso estudo vai mostrar a real dimensão da Covid-19 no estado e avaliar a trajetória de aumento do número de casos de infecção e óbitos”.

O pesquisador explica que os dados vão proporcionar uma base para responder a questões fundamentais sobre o comportamento da Covid-19. O percentual de pessoas com teste positivo para o vírus, por exemplo, permite calcular as taxas de letalidade de forma mais precisa e a proporção de casos sem sintomas ou com sintomas leves.

Os resultados vão possibilitar um monitoramento da evolução da doença na população gaúcha, somando-se à já tradicional contagem de casos sintomáticos diagnosticados nos serviços de saúde. Será também possível fazer projeções mais acuradas sobre o cenário da pandemia. Os resultados vão informar estratégias públicas de enfrentamento da Covid-19 e fornecer parâmetros para decisões sobre medidas de isolamento social e estimativas de tempo para o retorno da população à sua vida normal.

Compõem o grupo de pesquisa do estudo os cientistas Cesar Victora, Aluisio Barros, Pedro Hallal, Bernardo Horta, Odir Dellagostin, da UFPel, e a reitora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Lúcia Pellanda (UFCSPA).

MAIS NOTÍCIAS

SPEED CAR
ADRIANO CONRADO
OLIDATA
FUNERÁRIA BOM PASTOR
ROGÉRIO CALÇADOS
GRÁFICA.COM
Petroman
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
ART MÓVEIS
FICA EM CASA
ELETRO CLIC
SUPER SÃO JOSÉ
ECONÔMICA MÓVEIS E ELETRO
RÁDIO SÃO JOSÉ
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +