Saúde

Mandetta não descarta uso de "lockdown" em algumas cidades durante pandemia de Covid-19

Ministro repudiou manifestações e disse não estudar flexibilização para abertura de serviços nos próximos dias
28/03/2020 - 19h18min Corrigir

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, divulgou à imprensa, neste sábado (28), algumas projeções sobre os cenários futuros acerca da Covid-19. Dentre as medidas apresentadas pelo ministro está a possibilidade de "em algum momento" ativar a "lockdown" em algumas cidades brasileiras. A ativação do sistema aconteceria, segundo ele, para obrigar rigorosamente o isolamento social. "O que não existe é um lockdown de todo o território nacional ao mesmo tempo desarticulado”, argumentou.

Ao contrário do defendido pelo presidente Jair Bolsonaro nessa semana, Mandetta voltou a defender o isolamento social como medida de combate ao coronavírus: “Se a gente sair andando todo mundo de uma vez vai faltar para o rico, para o pobre, para o dono da empresa, para o dono do botequim, para o dono de todo mundo”, ressaltou. O ministro também repudiou as manifestações, incluindo carreatas, pela flexibilização da abertura dos comércios e indústrias no país, realizadas na sexta-feira em diversas cidades.

De acordo com ele, pode ocorrer a abertura gradual de alguns serviços a partir de abril, mas que a decisão só será tomada com o apoio de dados científicos. “Precisamos ter racionalidade e não nos mover por impulso neste momento. Nós vamos nos mover, como eu disse desde o princípio, pela ciência e pela parte técnica, com planejamento e pensando em todos os cenários”, disse.

O ministro pediu "calma e frieza" aos governadores e prefeitos diante o período de maior propagação do vírus, que deve ocorrer entre abril e maio. "Nós temos dificuldades sim. Teremos dias difíceis, sim. As coisas mudam de hora em hora, dia em dia, semana em semana", apontou. Durante apelo aos governos, Mandetta reforçou que autoridades façam o possível para preparar seus sistemas para "lidar com o estresse que está ali na frente". O ministro ainda pediu que os governadores tenham transparência com o governo federal na comunicação de dados dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) disponíveis. Caso haja omissão de informação, Mandetta afirmou que a autoridade vai responder "judicialmente" pelo ato.

Ele também falou que os ministérios da Saúde e da Economia buscam em conjunto soluções para minimizar a crise diante da pandemia. "O presidente está certíssimo quando ele fala que a crise econômica vai matar pessoas, mas estamos engajados", afirmou.

Balanço

Em relação ao comparativo da evolução da pandemia no Brasil e em outras partes do mundo, Mandetta pediu cautela nas projeções populares. Segundo ele, a pasta acompanha o cenário e pode afirmar que não há qualquer indicativo científico de que o Brasil esteja traçando os mesmos números que Itália ou China. 

Segundo dados apresentados por Mandetta, a população brasileira é constituída de 14% de pessoas acima dos 60 anos, enquanto a Itália possui 30% deste grupo etário em sua população. Outro comparativo apresentado levou em consideração o tabagismo. "Enquanto Europa e China são extremamente tabagistas, o SUS tem 20 anos de luta antitabagismo", citou. 

MAIS NOTÍCIAS

FUNERÁRIA CAMAQUENSE
ELETRO CLIC
RÁDIO SÃO JOSÉ
OLIDATA
GRÁFICA.COM
SUPER SÃO JOSÉ
ROGÉRIO CALÇADOS
ADRIANO CONRADO
GRUPO WHATSAPP
BRICK DO TOMAZ
ART MÓVEIS
FUNERÁRIA CONCÓRDIA
Petroman
FUNERÁRIA BOM PASTOR
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +