Geral

Petição contra a abertura do comércio de Camaquã conta com mais de 1 mil assinaturas

Grupo cobra também a divulgação da ata da reunião em que o Executivo e o Comitê de Crise decidiram a abertura do comércio
29/03/2020 - 16h14min Ascom Professor Leandro Barbosa Corrigir

A petição on-line que cobra o fechamento do comércio de Camaquã conta com mais de 1 mil assinaturas. A petição solicita ao prefeito Ivo de Lima Ferreira (PSDB) que mantenha o comércio fechado por mais tempo. A petição criada nesta sexta-feira (27) é uma resposta à decisão tomada pelo Executivo, após reunião com empresários.

De acordo com o autor da petição, Leandro Neutzling Barbosa, a decisão tomada pelo prefeito leva em consideração apenas o posicionamento de empresários, desconsiderando o que especialistas em saúde pública do mundo inteiro falam e a opinião dos camaquenses. “É uma decisão que vai na contramão de tudo”, avalia Barbosa, destacando que em enquetes em redes sociais, mais de 60% dos camaquenses são contrários a abertura do comércio nesse momento, além disso, uma pesquisa divulgada pelo site Valor Econômico, aponta que 84% dos brasileiros são favoráveis a manter escolas fechadas, a proibição de aglomerações e inclusive favoráveis ao toque de recolher para as pessoas.

Em nota divulgada neste domingo (29), a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul – FAMURS recomendou manutenção do isolamento social para enfrentamento da Covid-19. A entidade que representa 497 municípios do Rio Grande do Sul adverte que “flexibilizar as medidas restritivas de circulação, como liberação das atividades de comércio e retorno às aulas, é uma temeridade” e ressalta que “90% dos municípios do nosso Estado, por exemplo, ainda aguardam a chegada dos EPIs (equipamentos de proteção individual) e aparelhos hospitalares, como respiradores mecânicos, basilares no tratamento do vírus.”

Para o autor, a maior parte das pessoas compreende a gravidade do problema que o mundo está enfrentando e deseja preservar a sua vida e a de sua família. “Abrir o comércio agora é forçar uma normalidade que não existe, estamos enfrentando uma pandemia de proporção mundial, os gestores e algumas entidades precisam entender isso. Não podemos brincar com a vida das pessoas, principalmente daqueles que dependem exclusivamente do Sistema Único de Saúde (SUS)”, comenta.

Segundo especialista em saúde, no mês de abril deve ocorrer o pico de disseminação do vírus, no entanto, o sistema de saúde não possui condições de atender a todos ao mesmo tempo. Dessa forma, medidas de isolamento fazem com que o pico de disseminação seja “achatado” fazendo com que o sistema de saúde possa atender a todos.

Ainda segundo Barbosa, um grupo no WhastApp foi criado para cobrar do Executivo ações mais rígidas no combate ao coronavírus, bem como a ata da reunião com o Comitê de Crise, onde foi definida abertura do comércio. “Exigimos transparência das decisões tomadas por esse Comitê de Crise e do Executivo, a população tem o direito de saber o que está sendo feito e o posicionamento de cada um, pois se houver mortes, saberemos de quem é a responsabilidade”, afirma.

Para assinar a petição, basta acessar o Link: https://avaaz.org/po/community_petitions/prefeito_de_camaqua_senhor_ivo_de_lima_ferreira_ps_prefeito_ivo_mantenha_o_comercio_fechado_a_vida_em_primeiro_lugar/details/?fbclid=IwAR3eHhoXbaRVMUbOEeHnGdarOdZm_w6C3yPPz5ml4ruUfp7FhRyjqHw5O3I

 

MAIS NOTÍCIAS

ROGÉRIO CALÇADOS
BRICK DO TOMAZ
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
LAVAGEM FERNANDES
Petroman
ADRIANO CONRADO
RÁDIO SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA CONCÓRDIA
SUPER SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA BOM PASTOR
GRUPO WHATSAPP
ART MÓVEIS
ELETRO CLIC
OLIDATA
GRÁFICA.COM
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +