Economia

Covid-19 provoca queda histórica da economia chinesa

Retração econômica do país foi de 6,8%, segundo dados oficiais
17/04/2020 - 09h52min Corrigir

A pandemia de Covid-19 representou uma desaceleração inédita para o crescimento da China: o Produto Interno Bruto (PIB) do país teve uma retração de 6,8% no primeiro trimestre, o pior resultado desde o fim da era maoista.

Embora considerado pouco confiável, o resultado do PIB da China provoca interesse devido ao peso do país na economia global."A contração real no primeiro trimestre é, sem dúvida, bem maior do que sugerem os dados (oficiais)", afirmou o economista Ting Lu, do banco de investimentos Nomura.

A queda foi inferior à estimativa realizada por um grupo de analistas consultados pela AFP, que previu uma retração de 8,2%. Mas este é o pior resultado desde o início das publicações trimestrais do PIB no início dos anos 1990. No último trimestre de 2019, o crescimento foi de 6% em ritmo anual.

Em termos anuais, a China não experimentava uma contração do PIB desde 1976. O resultado do primeiro trimestre era muito esperado porque a China foi o primeiro país afetado pelo novo coronavírus, no fim de 2019.

Em seu esforço para deter a propagação do vírus, que deixou oficialmente mais de 4,6 mil mortos no país, a China adotou medidas de confinamento sem precedentes no final de janeiro, o que paralisou a atividade econômica. Atualmente o país retoma progressivamente o ritmo.

Em plena propagação mundial do vírus, a China "enfrenta novas dificuldades e desafios para reiniciar a atividade e a produção", disse em entrevista coletiva o porta-voz do Bureau Nacional de Estatísticas Mao Shengyong.

Apesar do progresso das condições de saúde nas últimas semanas, centenas de milhões de chineses seguem limitados em seus deslocamentos por medo a contrair o novo coronavírus.

Este contexto afetou o consumo. As vendas no varejo desabaram em março, 15,8% em ritmo anual. Nos dois meses anteriores (única estatística disponível) caíram 20,5%. A produção industrial, no entanto, caiu apenas 1,1% (contra -13,5% em janeiro e fevereiro), o que dá a entender uma retomada na atividade do país.

O investimento em ativos fixos na segunda maior economia mundial caiu 16,1% nos três primeiros meses do ano (contra -24,5% na última publicação). Entre abril e junho, se prevê que a China volte a crescer, após registrar no primeiro trimestre sua "desaceleração mais severa desde a revolução cultural", que terminou em 1976, avalia o analista Julian Evans-Pritchard, da Capital Economics.

Mas isto não significa o fim dos problemas, adverte Evans-Pritchard: haverá aumento do desemprego, fraca demanda interna e condições econômicas difíceis no exterior que provocarão a queda nas exportações, um motor da economia chinesa.

Como os principais sócios comerciais de Pequim sofrem o efeito da pandemia, as vendas da China ao exterior caíram novamente em março, -6,6% em ritmo anual. A contração foi menso pronunciada que a de janeiro-fevereiro acumulados (-17,2%).

Os dados de março parecem indicar que para a economia chinesa "o pior já passou". Mas a recuperação será demorada, alerta Evans-Pritchard. Sobretudo porque a pandemia enfraqueceu as pequenas e médias empresas privadas, as mais dinâmicas em termos de emprego. Ao menos 460 mil delas fecharam no primeiro trimestre, destaca a consultoria Trivium China.

A taxa de desemprego permaneceu elevada em março (5,9%), depois do máximo histórico em fevereiro (6,2%), um indicador que leva em consideração apenas a situação nas zonas urbanas.

Pequim anunciou várias medidas fiscais e reduziu as taxas de juros para incentivar os bancos a emprestar mais dinheiro às empresas.

Para os analistas, no entanto, as medidas são insuficientes e o país precisa de um pacote de estímulo para a economia. Uma opção que Pequim parece descartar no momento em que a China deseja sanear as finanças. Devido à incerteza associada à pandemia, a China ainda não divulgou a meta de crescimento para 2020.

Nas últimas previsões, o Fundo Monetário Internacional (FMI) apontou um crescimento "moderado" de 1,2% este ano, antes de um crescimento de 9,2% em 2021, após a recuperação da economia mundial.

MAIS NOTÍCIAS

ART MÓVEIS
FUNERÁRIA BOM PASTOR
GRUPO WHATSAPP
BRICK DO TOMAZ
RÁDIO SÃO JOSÉ
LAVAGEM FERNANDES
ADRIANO CONRADO
ELETRO CLIC
FUNERÁRIA CONCÓRDIA
SUPER SÃO JOSÉ
ROGÉRIO CALÇADOS
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
OLIDATA
Petroman
SKY INFOPARTNERS
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +