Política

Leite reúne base aliada para discutir propostas de reformas para o Rio Grande do Sul

Avaliação é de que pandemia está controlada no Estado e de que é necessário avançar com mudanças estruturais
01/06/2020 - 12h17min Corrigir

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, se reuniu na manhã desta segunda-feira, por videoconferência, com a base aliada para discutir novas propostas para dar sequência às reformas estruturais no Estado. Duas propostas nortearam o encontro: o incentivo à migração para a Previdência Complementar com um Benefício Especial e a reestruturação de fundos civis.

“O amplo diálogo e transparência foi um compromisso firmado com os servidores na reforma da Previdência, no ano passado”, disse Leite no começo da reunião. “Importante salientar que estamos dando sequência a algo que começou em 2015, quando se criou a Reforma Complementar. Foi um passo importante que o governo anterior deu e que foi chancelado pelos deputados na época, muitos de vocês hoje aqui presentes. Agora, vamos seguir com a reforma que começamos ano passado e que é uma das maiores do Brasil”, acrescentou.

Durante o encontro, a crise causada pelo novo coronavírus também foi abordada pelos participantes. Na avaliação do governo estadual, a situação do Rio Grande do Sul tinha melhorado, mas foi impactada pela pandemia de Covid-19. O contágio pela doença foi dado como controlado por Leite. 

"Felizmente a situação da pandemia está controlada aqui no RS, como mostram os estudos e o monitoramento dos dados, por isso, está sendo possível discutirmos o sistema previdenciário. Precisamos avançar, porque o Estado convive há anos com o desequilíbrio fiscal que afeta a capacidade de investimentos”, destacou Leite.

Prazo e propostas

O Executivo gaúcho tem até o final do mês de junho para apresentar um projeto de lei complementar sobre a criação de um Benefício Especial. A proposta apresentada pelo governo é voltada aos servidores civis ativos de todos os Poderes, que ingressaram antes de agosto de 2016 e que recebam remuneração acima do teto do INSS, atualmente de R$ 6.101,06.

Quem optar pela Previdência Complementar passará a receber, quando de sua aposentadoria, o teto do INSS e, por meio do Benefício Especial, terá a garantia de uma compensação, no futuro, por suas contribuições no regime anterior.

Como a migração para o novo regime reduz os valores a serem futuramente pagos em aposentadorias e pensões pelos fundos previdenciários (Financeiro e de Capitalização), é benéfica para o equilíbrio financeiro e atuarial do sistema em longo prazo. Porém, no curto prazo, esse efeito positivo não é observado, já que, em relação ao grupo de servidores que migrarem, há redução imediata de arrecadação da contribuição previdenciária, bem como da respectiva cota patronal, que passam a incidir somente sobre o teto do Regime Geral de Previdência Social (RGPS).

Para mitigar esse impacto imediato, o Executivo também está propondo a reestruturação dos fundos de previdência dos servidores civis. “A proposta combinada da oferta de migração para o Regime de Previdência Complementar com o Benefício Especial e uma reestruturação dos fundos de previdência civil resultará em um maior equilíbrio financeiro e atuarial, em diferentes cenários de adesão”, afirmou o secretário da Fazenda Marco Aurélio Cardoso. 

MAIS NOTÍCIAS

ADRIANO CONRADO
LAVAGEM FERNANDES
FUNERÁRIA CONCÓRDIA
RÁDIO SÃO JOSÉ
Petroman
ART MÓVEIS
FUNERÁRIA BOM PASTOR
ROGÉRIO CALÇADOS
SUPER SÃO JOSÉ
SKY INFOPARTNERS
ELETRO CLIC
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
GRUPO WHATSAPP
OLIDATA
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +