Polícia

Auditorias do TCE-RS dão origem a operações de combate a fraudes

Operação resultou no cumprimento de cinco mandados de busca e apreensão e quatro de prisão temporária em Palmeira das Missões e em Rodeio Bonito
02/06/2020 - 14h17min Assessoria de Comunicação Social - TCE-RS Corrigir

Em apenas uma semana, duas grandes operações deflagradas a partir de apontamentos feitos pelo TCE-RS resultaram no desbaratamento de esquemas fraudulentos contra o Erário. Na manhã desta terça-feira (02), a “Operação Aves de Rapina”, que investiga um esquema de fraudes contra o Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos do Rio Grande do Sul (IPE-Saúde), resultou no cumprimento de cinco mandados de busca e apreensão e quatro de prisão temporária em Palmeira das Missões e em Rodeio Bonito.

 

Na quarta-feira passada (27), a “Operação Camilo” trouxe à tona crimes de fraude à licitação, peculato, corrupção passiva, organização criminosa, ocultação de bens, crime de responsabilidade e desobediência envolvendo a prefeitura municipal de Rio Pardo, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) e empresas terceirizadas.

 

Em ambos os casos, auditorias do TCE-RS deflagraram o início das investigações, encaminhadas em parceria com outros órgãos de controle, fiscalização e repressão ao crime no Estado. Como resultado das operações, a sociedade gaúcha pôde desvendar e estancar esquemas que lesavam os cofres públicos em aproximadamente R$ 50 milhões.

 

Operação Aves de Rapina

 

Deflagrada pela 1ª Delegacia de Combate à Corrupção (1ª Decor) na manhã desta terça-feira (02), a operação Aves de Rapina revelou que o IPE-Saúde estava destinando, em atendimento a ações judiciais embasadas em laudos falsos, valores a empresas de serviços de home care. A investigação das fraudes teve origem em apontamentos feitos pelo TCE-RS ainda em 2013, quando auditores verificaram descontrole e falta de regramento, por parte do Instituto, na concessão do serviço. Na sequência, a 15ª Coordenadoria Regional de Saúde e a Procuradoria-Geral do Estado intensificaram as investigações que resultaram num inquérito aberto pela Polícia Civil em 2017.

 

Tudo indica que advogados e profissionais da saúde se articulavam para exigir judicialmente o fornecimento do serviço de home care a pacientes que, muitas vezes, sequer haviam sido examinados por algum médico. O TCE-RS apontou que, entre 2002 e 2015, duas empresas concentraram o recebimento de valores do IPE-Saúde para fornecimento deste tipo de serviço em torno de R$ 34 milhões. De lá para cá, ações continuaram sendo ajuizadas e envolvendo quase sempre os mesmos personagens.

 

O esquema teria movimentado 42 processos na Justiça de Palmeira das Missões, desde 2014. Testemunhas contaram que um advogado, que é o principal investigado, cobrava R$ 6 mil para propor as ações aparentemente baseadas em laudos médicos fraudulentos.

 

A 1ª Decor está cumprindo cinco mandados de busca e apreensão e quatro de prisão temporária em Palmeira das Missões e em Rodeio Bonito. A operação já resultou na prisão de um advogado, duas empresárias e uma enfermeira. Um segundo advogado é investigado, além de médicos, servidores públicos da área da saúde e empresários.

A polícia não descarta que pedidos envolvendo pacientes do SUS também tenham sido feitos pelos envolvidos, e que as mesmas empresas estejam agindo em outras cidades gaúchas e até fora do Estado.

 

Operação Camilo

 

Assim batizada em referência ao santo da Igreja Católica “São Camilo de Lellis”, intercessor de todos os enfermos e profissionais de saúde, a operação Camilo foi deflagrada por uma força-tarefa integrada pelo TCE-RS, Ministério Público Estadual, Polícia Federal, Controladoria Geral da União, Ministério Público Federal e Ministério Público Estadual.

 

A ação resultou na prisão de 15 pessoas - entre as quais, o prefeito de Rio Pardo e presidente da Associação dos Municípios do Vale do Rio Pardo, Rafael Barros, o procurador do município, Milton Coelho, e mais três servidores públicos municipais - e na apreensão de 31 veículos e R$ 400 mil em espécie. Foram cumpridos 61 mandados de busca e apreensão em 17 municípios dos estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, de São Paulo e do Rio de Janeiro, além de medidas judiciais de arresto/sequestro de bens móveis e imóveis, bloqueio de valores depositados em contas dos investigados e de empresas e afastamento cautelar de funções exercidas por servidores públicos.

 

O cerco aos fraudadores começou com informações recebidas pela delegacia de Polícia Federal de Santa Cruz do Sul em junho de 2018, e contou com o aporte do TCE/RS e da CGU que, paralelamente, vinham executando fiscalizações, e do MPRS. Conforme apurado, o serviço de saúde do Hospital Regional do Vale do Rio Pardo (HRVRP) foi terceirizado pela prefeitura municipal de Rio Pardo para a Associação Brasileira do Bem Estar Social, Saúde e Inclusão (Abrassi), uma Organização Social, com sede em São Paulo, por meio de um processo de chamamento público direcionado. A instituição vencedora foi escolhida em outubro de 2017 para administrar diversos subsistemas de atividades, como serviços de vigilância e portaria, alimentação e dietética, manutenção predial, lavanderia, limpeza e sanitização hospitalar, radiologia, exames de imagem e SAMU.

 

As provas coletadas indicam a existência de um esquema criminoso que conta com a participação dos gestores da Organização Social, de empresas privadas e de servidores públicos por meio de desvio de recursos do Hospital Regional.

MAIS NOTÍCIAS

FUNERÁRIA CAMAQUENSE
ADRIANO CONRADO
SUPER SÃO JOSÉ
GRUPO WHATSAPP
BRICK DO TOMAZ
FUNERÁRIA CONCÓRDIA
ROGÉRIO CALÇADOS
RÁDIO SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA BOM PASTOR
Petroman
SKY INFOPARTNERS
LAVAGEM FERNANDES
ART MÓVEIS
OLIDATA
ELETRO CLIC
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +