Economia

Futuro do Renda Cidadã será definido depois do segundo turno das eleições

Afirmação foi feita pelo líder de governo, deputado Ricardo Barros, em entrevista à jornalista Andréia Sadi, da GloboNews
19/11/2020 - 15h09min Corrigir

Em entrevista ao blog da jornalista Andréia Sadi, da GloboNews, o deputado Ricardo Barros (PP), líder do governo Bolsonaro na Câmara, afirmou que o futuro do Renda Cidadã será decidido após o segundo turno das eleições municipais – que acontece no próximo dia 29.

O jornal O Globo havia trazido a informação, na última quinta-feira (12), de que o governo teria decidido suspender a criação do programa pelo menos por este ano. O projeto, se apresentado e aprovado, seria uma substituição do auxílio emergencial, que acaba em dezembro.

Segundo o jornal, o presidente Jair Bolsonaro avaliou que não há mais empenho e disposição para criar um novo programa social ainda em 2020. Desta forma, a saída seria manter o Bolsa Família e ampliar o número de beneficiários, assim como pagar um valor maior do que o crédito atual.

Mas Barros afirmou que a opção de adiar mais uma vez a decisão sobre o tema para depois do período das eleições para que o posicionamento não seja usado como uma espécie de promoção neste sentido. "O assunto do Renda Cidadã, se a gente vai ou não fazer, como e o que será feito, tudo vai ser decidido após o segundo turno. Se a gente fala agora o posicionamento vai tudo ser usado como eleitoral. É prudente deixar para depois, assim como as reformas”, disse o parlamentar.

O entrave maior para se chegar a uma conclusão sobre o programa que vai substituir o auxílio emergencial em 2021 se deve ao governo não conseguir fechar um orçamento sem extrapolar o teto de gastos. Uma das opções seria a redução de despesas. Outra forma de viabilizar a criação do Renda Cidadã seria a extinção de outros programas assistenciais, proposta feita pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, mas essa ideia foi vetada por Bolsonaro.

Para 2021, o governo tem orçamento previsto de R$ 34,8 bilhões para manter o Bolsa Família, cerca de R$ 5 bilhões a mais do que o valor de 2020. A quantia seria suficiente para aumentar em um milhão o número de famílias beneficiadas.

Todavia, pelo menos 3 milhões de famílias precisariam continuar recebendo assistência a partir de janeiro, com o fim do auxílio emergencial, de acordo com levantamento feito pelo Ministério da Cidadania. O benefício atende mais de 67 milhões de pessoas a um custo de R$ 590 bilhões até o fim de 2020.

MAIS NOTÍCIAS

PADARIA ESTRELA
OLIDATA
ADRIANO CONRADO
SUPER SÃO JOSÉ
ROGÉRIO CALÇADOS
RESTAURANTE COME COME
FUNERÁRIA BOM PASTOR
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
MÁRIO SERRALHEIRO
ART MÓVEIS
ELETRO CLIC
Mais Lidas
PADARIA ESTRELAOLIDATAADRIANO CONRADOSUPER SÃO JOSÉROGÉRIO CALÇADOSRESTAURANTE COME COMEFUNERÁRIA BOM PASTORFUNERÁRIA CAMAQUENSE
MÁRIO SERRALHEIROART MÓVEISELETRO CLIC
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +