Economia

Auxílio emergencial prorrogado? Saiba como está a situação da extensão do benefício

Assunto foi detalhado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, em videoconferência
02/12/2020 - 15h02min Corrigir

Esperança de muitos beneficiários, a prorrogação do auxílio emergencial para 2021 foi descartada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. O parlamentar participou de uma videoconferência promovida pelas plataformas de investimento Empiricus e Vitreo. As informações do encontro virtual foram trazidas, nessa terça-feira (1º), em reportagem no Jornal Contábil.

Durante a conversa, Guedes confirmou que o auxílio emergencial não será pago no ano que vem porque a pandemia de coronavírus, segundo ele, está apresentando melhora no Brasil e que a atividade econômica em ritmo de retomada.

Porém, o ministro admitiu que a ajuda dada pelo governo federal aos trabalhadores informais durante o período de pandemia poderia ter duração de até um ano se as parcelas extras fossem em um valor menor, de R$ 200. No entanto, não houve um consenso sobre a criação de um orçamento que não extrapolasse o teto de gastos do governo com o prolongamento do benefício.

Paulo Guedes também comentou que existe uma pressão política para que o auxílio emergencial seja estendido por mais três meses no ano que vem. De acordo com o ministro, essa vontade parte dos líderes do governo de aprovar a chamada PEC Emergencial ainda em 2020 e incluir no texto o novo programa social. Mas, os próprios aliados do governo não acreditam que isso será possível em 2020, uma vez que o presidente Jair Bolsonaro já descartou essa possibilidade.

Até o momento, o que se sabe é que o pagamento do auxílio emergencial será concluído em dezembro e os saques e transferências do benefício continuarão disponíveis até meados do fim de janeiro de 2021, conforme o calendário de pagamentos disponibilizado pela Caixa Econômica Federal.

Outro impasse gira entorno do futuro do Renda Cidadã – programa que seria uma substituição do auxílio emergencial. Na semana passada, em entrevista ao blog da jornalista Andréia Sadi, da GloboNews, o deputado Ricardo Barros (PP), líder do governo Bolsonaro na Câmara, afirmou que o assunto seria decidido após o segundo turno das eleições municipais, que ocorreram no último domingo (29).

Mas, até então, nada foi falado a respeito pelo governo. Essa é mais um assunto que o presidente Bolsonaro avaliou que não há mais empenho e disposição para criar um novo programa social ainda em 2020.

Para o ano que vem, o governo tem orçamento previsto de R$ 34,8 bilhões para manter o Bolsa Família, cerca de R$ 5 bilhões a mais do que o valor de 2020. A quantia seria suficiente para aumentar em um milhão o número de famílias beneficiadas.

Todavia, pelo menos 3 milhões de famílias precisariam continuar recebendo assistência a partir de janeiro, com o fim do auxílio emergencial, de acordo com levantamento feito pelo Ministério da Cidadania. O benefício atende mais de 67 milhões de pessoas a um custo de R$ 590 bilhões até o fim de 2020.

MAIS NOTÍCIAS

PADARIA ESTRELA
OLIDATA
ART MÓVEIS
RESTAURANTE COME COME
ADRIANO CONRADO
MÁRIO SERRALHEIRO
FUNERÁRIA BOM PASTOR
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
ELETRO CLIC
SUPER SÃO JOSÉ
ROGÉRIO CALÇADOS
Mais Lidas
PADARIA ESTRELAOLIDATAART MÓVEIS
RESTAURANTE COME COMEADRIANO CONRADOMÁRIO SERRALHEIROFUNERÁRIA BOM PASTORFUNERÁRIA CAMAQUENSEELETRO CLICSUPER SÃO JOSÉROGÉRIO CALÇADOS
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +