Polícia

Polícia indicia mulher que queimou marido vivo em Dom Feliciano por homicídio e ocultação de cadáver

Inquérito foi concluído e remetido ao Poder Judiciário
22/06/2021 - 16h55min Corrigir

A mulher acusada de dopar e queimar vivo o marido em Dom Feliciano responderá pelos crimes de homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver. O inquérito foi concluído pela Polícia Civil e entregue ao Poder Judiciário. O documento possui 157 páginas, contendo depoimentos e laudos da perícia comprovando o crime. A morte ocorreu no último dia 15 de fevereiro, na localidade de Colônia Nova, no interior do município. Mas o caso ganhou repercussão no mês passado, após Elizamara Moura, de 35 anos, ser presa e confessar a autoria do assassinato.

Primeiramente, Erni Pereira da Cunha, de 42 anos, foi dado como desaparecido. Elizamara, inclusive, chegou a registrar ocorrência sobre o desaparecimento na Delegacia de Camaquã. No entanto, a polícia passou a desconfiar da mulher por conta de várias informações de depoimentos dela que não coincidiam. Segundo a investigação, a acusada misturou calmante no suco de laranja do marido. Depois, ela arrastou o homem, ainda com vida, para a estufa de tabaco, que fica nos fundos da propriedade do casal. Nisso, a mulher colocou o corpo na fornalha, onde ele ficou queimando por três dias. Laudos do Instituto-Geral de Perícias (IGP) de Pelotas encontraram fragmentos de ossos na fornalha.

Durante a investigação, os policiais descobriram que Elizamara havia pesquisado na internet sobre como matar uma pessoa utilizando veneno. O casal estava junto há 21 anos. Eles tinham dois filhos, um rapaz de 20 e uma adolescente de 16 anos. A família morava no mesmo local do crime e trabalhava na agricultura. A polícia chegou a prender preventivamente o filho mais velho por suspeita de participação no crime. Mas após alguns dias no Presídio Estadual de Camaquã, ele foi liberado por falta de provas.

A mulher está detida na Penitenciária Estadual Feminina de Guaíba, na Região Metropolitana de Porto Alegre. Em sua defesa, ela alegou que sofria agressões e ameaças do marido. Porém, de acordo com a polícia, não havia nenhum registro de violência doméstica contra o homem.

Outras possíveis suspeitas foram elencadas sobre os reais motivos do crime, mas a investigação não conseguiu comprovar nenhuma das hipóteses levantadas. O caso ficou sob responsabilidade da delegada Vivian Sander Duarte, da Delegacia de Polícia de Camaquã.

MAIS NOTÍCIAS

ELETRO CLIC
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
SUPER SÃO JOSÉ
MÁRIO SERRALHEIRO
OLIDATA
FUNERÁRIA BOM PASTOR
ANUNCIE AQUI
ART MÓVEIS
Tocando agora: Relembre bons momentos