Entretenimento

Agosto Lilás: Confira dicas de leituras que abordam violência doméstica e abuso

Conheça mulheres reais, que encontraram força para superar abusos, através da divulgação de suas histórias
05/08/2022 - 15h33min Corrigir

Desde o dia primeiro de agosto está sendo realizada a campanha Agosto Lilás no país. A campanha visa combater a violência doméstica, promover debates sobre o tema e divulgar e incentivar que denúncias sejam realizadas. 

O mês de agosto é dedicado à campanha porque é o mês de aniversário da Lei Maria da Penha, sancionada no dia 7 de agosto de 2006. A Lei é uma homenagem à mulher que ficou paraplégica em consequência das agressões do marido e que se tornou símbolo da luta contra a violência doméstica.

Os números de violência contra mulheres são absurdos e se tornam ainda mais chocantes quando consideramos que mostram apenas os casos que a polícia teve conhecimento. Leia aqui a matéria completa, que mostra os dados de violência contra mulher no RS de janeiro a julho de 2022. 

Diversas mulheres não realizam a denúncia e ficam reféns da situação por diferentes razões, que não cabe a ninguém julgar. Porém, todos podemos contribuir para que esses casos acabem. Podemos orientar as vítimas e realizar denúncias anônimas. 

Além disso, podemos realizar essa orientação para todos, independente de estarem vivendo situações de violência, tanto para mulheres, quanto para homens. Podemos promover discussões e pensamentos críticos sobre o tema. E uma maneira de fazer isso é através da leitura. 

Inscreva-se em nosso novo canal do YouTube ACESSE AQUI!

Para contribuir com a orientação de identificação dos tipos de violência, como começam, como ocorrem, entre outros fatores, além de orientar a denúncia e locais de apoio, separamos algumas leituras interessantes. Cada uma das obras retrata diferentes tipos de violências, tanto fictícios, quanto relatos reais de vivências.  

Confira a lista a seguir: 

  • Desconstruindo Una: É uma história em quadrinhos que mostra a história de Una durante seu crescimento. Conta todos os tipos de abusos que a personagem sofreu, suas dificuldades de lidar com a situação. Além disso, a obra também apresenta uma série de dados sobre violência contra mulher, machismo na sociedade, políticas públicas e muito mais. 

  • É Assim que Acaba: É uma ficção, com algumas cenas baseadas em histórias reais, inclusive vivenciadas pela própria mãe da autora. A trama conta a história de Lily, que passa a ser vítima de violência doméstica e demora a perceber isso. Nessa história a autora mostra os ciclos de violência, diferentes formas de agressão e deixa muito claro que não existe nada que justifique atitudes assim.  

  • Diário de Uma Escrava: É escrito por uma gaúcha, que também evidencia muitos dados de violência, sequestro, estupro e demais situações que ocorrem no país e no mundo, vitimando diversas mulheres. A história apresenta de Laura, uma adolescente de 15 anos, que é raptada e mantida em cárcere privado, escondida do mundo, agredida e abusada de diferentes formas. Aqui a autora mostra que qualquer um pode ser um estuprador, até mesmo aquele cidadão exemplar que frequenta a igreja.

  • A Cidade do Sol: Neste livro conhecemos a história de Mariam e Laila. A autora retrata a realidade difícil enfrentada pelas mulheres no Afeganistão, justificada pela cultura do local. Elas vivem diversos tipos de opressão, preconceitos e humilhações. 

  • 50 Tons de Cinza: Nesta obra, mesmo que exista muita romantização em relação à história, podemos perceber uma série de males e violência, principalmente violência psicológica. O personagem controla e manipula sua “amada” em níveis absurdos. É possível identificar um grande problema aqui, o de romantizar e justificar ações machistas e agressivas pelo passado trágico do agressor, o que é totalmente inaceitável. A leitura é válida a fim de identificar essas agressões e não permitir que sejam reproduzidas na vida real. 

  • A Cor Púrpura: Aqui conhecemos a história de Celie, uma menina negra, que cometeu um grande pecado: nascer mulher. Ela sofre abusos pelo pai, marido e pela sociedade. A história é narrada pela personagem através de cartas, onde descreve todos os dramas vive.

  • Bom dia, Verônica: É um livro de investigação policial, que conta a história de uma policial que resolve investigar dois feminicídios complexos. O livro levanta vários questionamentos sobre a violência: como ela acontece, quais podem ser as consequências, o quanto as vítimas se sentem culpadas ou, por vezes, cúmplices, e por aí vai.

  • Beijos no chão: A história narra a violência contínua que uma mulher de classe média alta, com dois filhos pequenos, sofre na mão do marido alcoólatra. É a história real da escritora e jornalista Dani Costa Russo.

  • Por que você volta todo o verão? Uma adolescente é abusada sexualmente pelo tio durante três anos, dos treze aos dezesseis, sob o olhar condescendente de alguns parentes e desinteressado de outros. Marcada pelo trauma, aos 22 consegue reunir forças para denunciá-lo. Não sabia, porém, que o mais difícil seria enfrentar as reações da família. Essa é mais uma história real relatada pela própria vítima, autora da obra.

Para receber as notícias gratuitamente e em tempo real participe do nosso grupo de WhatsApp, clicando aqui!

Ou participe do nosso grupo no Telegram clicando aqui!

Ouça AQUI a web rádio do Blog do Juares!

Siga o Blog do Juares no Google News e recebe notificações das últimas notícias em seu celular, acessando aqui!

MAIS NOTÍCIAS

TBK INTERNET
LEDEJAR
CÂMERAS
FUNERÁRIA CONCÓRDIA
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
FUNERÁRIA BOM PASTOR
IDEALPLAST
GRÁFICA.COM
Borgte Consórcios VEÍCULOS
Mais Lidas
TBK INTERNETLEDEJARCÂMERASFUNERÁRIA CONCÓRDIAFUNERÁRIA CAMAQUENSEFUNERÁRIA BOM PASTOR
IDEALPLASTGRÁFICA.COMBorgte Consórcios VEÍCULOS