Saúde

Laboratório chinês produz possível vacina contra o coronavírus

Pesquisadores do grupo descobriram vacina contra H1N1 em 2009
30/04/2020 - 09h52min Corrigir

Em um laboratório no norte de Pequim, um homem talvez possua o tão esperado antídoto. Vestido com um jaleco branco, ele exibe uma das primeiras vacinas experimentais contra o novo coronavírus.

Sinovac Biotech é um dos quatro laboratórios chineses autorizados a realizar ensaios clínicos. Embora sua vacina ainda não tenha sido testada, o grupo privado diz que está pronto para produzir 100 milhões de doses por ano para combater o vírus, que apareceu na China no final de 2019.

O laboratório pode estar confiante. Em 2009, ele superou seus concorrentes e se tornou o primeiro no mundo a lançar uma vacina contra a gripe suína H1N1. Em suas vastas instalações em Changping, na grande periferia da capital, os técnicos de laboratório controlam a qualidade da vacina experimental, com base em patógenos inertes, já produzidos em milhares de cópias. E já tem um nome: "Coronavac".

Testada em macacos

Embora o tratamento ainda esteja longe de ser homologado, o fabricante deve demonstrar que é capaz de produzir em larga escala e sujeitar lotes ao controle das autoridades. Daí o lançamento da produção mesmo antes do final dos ensaios clínicos.

No meio da corrida global para encontrar o antídoto há muito aguardado, menos de uma dúzia de laboratórios até agora iniciaram testes em humanos, de acordo com a Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

Entre eles, Sinovac, que garante que obteve resultados promissores em macacos, antes de administrar seu soro pela primeira vez a 144 voluntários em meados de abril, em Jiangsu, no leste da China.

Mas o laboratório fundado em 2001 não se pronunciará sobre a data em que a injeção de meio mililitro poderá ser comercializada. "É a pergunta que todo mundo faz", reconhece Liu Peicheng, diretor da marca. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a produção de uma vacina pode levar entre 12 e 18 meses.

Testes no exterior

O laboratório chinês, que emprega 1 mil funcionários, espera obter os primeiros resultados sobre a segurança do produto até o final de junho, nas fases 1 e 2 dos testes, disse à AFP Meng Wining, diretor de relações internacionais.

Os testes consistem em verificar se a vacina é perigosa para os seres humanos. Para garantir sua eficácia, um estudo de fase 3 deve ser realizado em portadores do vírus.

O problema é que agora "apenas alguns casos por dia são relatados na China", diz Meng. A menos que haja uma segunda onda epidêmica na China, o grupo precisará testá-la com diagnósticos positivos no exterior.

"Atualmente, estamos em contato com vários países da Europa e Ásia", diz ele. "Um estudo de fase 3 normalmente envolve milhares de pessoas. Não é fácil obter esse número em nenhum país", alerta.

O grupo empreendeu no sul de Pequim a construção de uma fábrica de produção com capacidade para 100 milhões de doses, que deve estar operacional antes do final do ano."Trabalhamos dia e noite, em três turnos, o que significa que não perdemos um minuto", diz Meng.

Levada à população mundial, uma possível vacina Sinovac não seria suficiente para proteger o planeta. Mas Meng assegura que o grupo, listado na Nasdaq, está aberto a "colaborações" com parceiros estrangeiros, aos quais já vende vacinas contra gripe ou hepatite.

Ser o primeiro a fornecer uma solução contra a Covid-19 seria uma espécie de vingança para a China, ansiosa por fazer esquecer que a pandemia surgiu em seu solo."Recebemos muito apoio do governo chinês", diz Meng. "Não muito dinheiro", mas cooperação com institutos públicos dos quais Sinovac obtém cepas virais.

Pequim também aprovou o ensaio clínico de outras três vacinas experimentais: uma da Escola Militar de Ciências Médicas e do grupo de biotecnologia CanSino, outra do Instituto de Produtos Biológicos e do Instituto Wuhan de Virologia, cidade onde surgiu o novo coronavírus, e a última do grupo China Biotics, que iniciou testes na terça-feira entre 32 voluntários.

Como prevenir o contágio do novo coronavírus

De acordo com recomendações do Ministério da Saúde, há pelo menos cinco medidas que ajudam na prevenção do contágio do novo coronavírus:

• lavar as mãos com água e sabão ou então usar álcool gel.

• cobrir o nariz e a boca ao espirrar ou tossir.

• evitar aglomerações se estiver doente.

• manter os ambientes bem ventilados.

• não compartilhar objetos pessoais.

MAIS NOTÍCIAS

BRICK DO TOMAZ
ADRIANO CONRADO
ART MÓVEIS
SKY INFOPARTNERS
LAVAGEM FERNANDES
RÁDIO SÃO JOSÉ
OLIDATA
FUNERÁRIA BOM PASTOR
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
GRUPO WHATSAPP
ROGÉRIO CALÇADOS
Petroman
ELETRO CLIC
SUPER SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA CONCÓRDIA
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +