Saúde

Mulher de 47 anos morre em casa com suspeita de covid-19 após não conseguir vaga em hospital do RJ

Familiares de Patrícia haviam procurado a UPA de Seropédica, mas foram orientados a continuar o tratamento em casa
25/05/2020 - 10h01min Corrigir

Mais uma pessoa com suspeita de coronavírus morreu em casa nesta sexta-feira (22), após não conseguir atendimento em uma unidade de tratamento especializado no Rio de Janeiro.

Familiares de Patrícia, auxiliar de dentista de 47 anos, informam que fizeram diversas visitas à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Seropédica, na Região Metropolitana do Rio, mas que a paciente foi mandada de volta para casa.

"Estava enfrentando a Covid mais ou menos há uns 14, 15 dias e sempre passando que estava melhor, que estava bem. E, toda vez que nós buscávamos atendimento, socorro na UPA de Seropédica, eles falavam que não tem muito que possam fazer. O melhor que tem que fazer é ficar em casa e se tratar. Se tratar como?", questiona Matheus Lima, sobrinho da vítima.
Matheus conta que Patrícia morreu enquanto tomava banho, por volta das 14h. O sobrinho questiona o tratamento dado pelo Estado às pessoas com sintomas do coronavírus. " É mesmo para ficar em casa? Ou seria melhor já tratar a pessoa logo de primeira que já deu confirmado pra Covid?", diz.

Em toda a rede pública do estado, 308 pessoas com suspeita ou confirmação de coronavírus aguardam transferência para um leito de UTI, e 184 esperam por um leito de enfermaria.

 

Também na sexta-feira (22), o secretário estadual de Saúde, Fernando Ferry, desistiu de aplicar o protocolo que havia anunciado de iniciar mais cedo o atendimento aos pacientes com Covid-19, que eram internados apenas em estados mais avançados da doença.

Ferry disse que ele chamou de protocolo o que, na verdade, seria uma nova conduta. A diferença, na prática, é que um protocolo tem caráter obrigatório, diferente de uma conduta médica, que é apenas uma recomendação.

Apesar da recomendação de pneumologistas para pessoas com sintomas de falta de ar procurarem imediatamente uma unidade hospitalar, especialistas também informam que a ideia de antecipar o atendimento só funcionaria se houvesse leito para todos.

O cenário do Rio de Janeiro, no entanto, apresenta mostra poucas chances de efetivar a ideia, já que seis dos sete hospitais de campanha do estado estão atrasados.

O diretor médico da UPA de Seropédica, Bruno Duarte, diz que as denúncias sobre o descaso de atendimento de Patrícia estão sendo apurados e que, no livro de atendimento da unidade, não consta o nome da paciente nos meses de abril ou maio.

O médico afirma também que investiga se a paciente passou por alguma das três tendas que foram montadas para atendimento aos pacientes com Covid-19.

Outros casos

Na semana passada, o taxista Edson da Mota -- com sintomas de coronavírus -- morreu antes de conseguir uma transferência da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Tijuca, na Zona Norte do Rio, para uma UTI de hospital.

Ele chegou a ser levado para a sala vermelha, destinada aos pacientes mais graves e foi entubado, mas não resistiu.

“Lá consta que ele está em uma lista de espera para ser transferido para um hospital que tenha UTI. A fila é grande e não conseguimos nada”, contou a irmã do taxista.

MAIS NOTÍCIAS

ELETRO CLIC
RÁDIO SÃO JOSÉ
ROGÉRIO CALÇADOS
LAVAGEM FERNANDES
SUPER SÃO JOSÉ
OLIDATA
Petroman
FUNERÁRIA CONCÓRDIA
FUNERÁRIA BOM PASTOR
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
ADRIANO CONRADO
GRUPO WHATSAPP
SKY INFOPARTNERS
ART MÓVEIS
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +