Saúde

Secretaria da Saúde lança alerta após surto de intoxicação por suspeita de consumo de picolé no RS

Cerca de 200 casos foram identificados em cidades no Litoral Norte e Região Metropolitana
21/10/2020 - 17h24min Corrigir

Após um surto de intoxicação alimentar que ocorreu no Litoral Norte e Região Metropolitana do Rio Grande do Sul, a Secretaria de Saúde do Estado emitiu um alerta sobre o consume de picolés da marca Frutibom, apontados como sendo os responsáveis pelo mal estar de aproximadamente 140 pessoas somente em Xangri-Lá.

A nota foi publicada pela pasta nesta quarta-feira (21), logo após o Programa Estadual de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar ter sido notificado na última segunda (19) sobre a ocorrência de casos, principalmente em crianças, que buscaram atendimento médico na cidade no final de semana.

Até o momento, cerca de 200 casos já foram identificados em Sapiranga e Xangri-lá, além de relatos ainda não contabilizados pela SES, nas cidades de Canela e Gramado. Todas as pessoas foram atendidas ambulatoriamente, sem necessidade de hospitalização, de acordo com a Secretaria.

Os pacientes tiveram sintomas como náusea, vômitos, dor abdominal e diarreia após a ingestão de picolés da empresa Caliston Otoniel Oliveira, que fabrica a marca Frutibom.

Após os casos, a empresa passou a ser investigada por suspeita de causar surto de doença de transmissão hídrica alimentar. A SES informou que amostras do produto e da água utilizada na produção foram encaminhadas para análise laboratorial, assim como exames de pessoas com sintomas para a identificação da doença.

Ainda segundo a pasta, o local não possuía licença para a produção do alimento.

O fabricante da marca deu entrevista ao G1 RS e declarou que não há comercialização dos picolés no Litoral Norte. De acordo com Caliston Otoniel Oliveira, os produtos são vendidos apenas em Sapiranga, na Região Metropolitana de Porto Alegre, onde a empresa está sediada.

Sobre a licença para a produção, o fabricante explicou que os alvarás estão em andamento e assegurou a boa procedência do seu produto.

A Vigilância Estadual em Saúde alerta que todas as vigilâncias municipais devem notificar casos identificados do surto. A orientação é para que os consumidores que, caso tenham ingerido o produto e apresentem sintomas como os até agora relatados (náusea, vômitos, dor abdominal, diarreia), contatem imediatamente a vigilância em saúde de seu município ou ligue para o Disque Vigilância do Cevs, pelo telefone 150 (de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 22 horas e aos sábados, domingos e feriados, das 8h às 20h). Caso necessário, procure atendimento médico. Se a pessoa ainda tiver o produto, mantenha-o na embalagem original, fora do alcance de crianças.

Não há até o momento mais informações de quais outras cidades podem ter tido o produto comercializado e buscas ativas foram orientadas às vigilâncias municipais. A fiscalização do município na empresa já identificou que, além da falta da autorização, a empresa não realizava a pasteurização dos produtos (etapa obrigatória em indústria de gelados comestíveis).

• Clique aqui e veja o alerta encaminhado às vigilâncias municipais.

MAIS NOTÍCIAS

ADRIANO CONRADO
OLIDATA
RESTAURANTE COME COME
ART MÓVEIS
FUNERÁRIA BOM PASTOR
DIGA NÃO!
ROGÉRIO CALÇADOS
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
PADARIA ESTRELA
ELETRO CLIC
SUPER SÃO JOSÉ
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +