Política

Honorários de sucumbência voltam a pauta da CCJ da Assembleia

Após defesa do Executivo, relator apresenta parecer final e mantém voto pelo fim do pagamento aos procuradores
02/12/2019 - 16h32min Corrigir

O deputado Elton Weber (PSB) protocolou na quinta-feira e vai ler terça na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia o parecer final ao requerimento (RDI 58-2019) encaminhado por 42 parlamentares solicitando o fim do pagamento dos honorários de sucumbência aos procuradores estaduais ativos e inativos.

Weber acrescentou a este segundo relatório, que integra o processo de tramitação da matéria no Legislativo, a menção à defesa da sucumbência feita pelo Executivo após seu primeiro parecer ter sido aprovado na CCJ. Mas não alterou seu entendimento, que é pelo fim do pagamento da forma como está sendo feito e o encaminhamento de um projeto de lei para que o Legislativo aprove ou não a matéria. O parlamentar recomenda que o parecer, que deve ser novamente referendado pela CCJ, siga na sequência para a Mesa Diretora da Assembleia de onde, na forma de um projeto de decreto legislativo (PDL), seguirá para votação em plenário.

O parecer de Weber é o 14º item da pauta de preferências da reunião da CCJ desta terça-feira. Após a leitura do relatório, ele deve ir à votação, caso não haja pedido de vista. Se algum dos integrantes do colegiado pedir vista, a votação fica para a próxima semana. Caso seja votado e receba aprovação, pode ser protocolado ainda nesta terça na Mesa. Weber acredita que ao ser apreciado, nesta ou na próxima semana, o segundo parecer terá votação semelhante ao primeiro. 

Em 29 de outubro a CCJ aprovou, por nove votos a dois, o primeiro parecer favorável de Weber à suspensão do pagamento dos honorários de sucumbência aos procuradores estaduais. Para que uma votação seja conclusiva no colegiado são necessários pelo menos sete votos. O parlamentar prefere não projetar, contudo, se o assunto chegará ao plenário ainda em 2019. “Concluída a etapa na CCJ, caberá ao colégio de líderes definir por sua inclusão na pauta”, resumiu.

Em abril, por resolução interna, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) decidiu pelo pagamento dos honorários. Eles começaram a constar nos contracheques em julho. Na Assembleia os questionamentos tiveram início logo após a decisão da PGE, mas o requerimento cumpre um longo caminho. Ele chegou à CCJ em maio, e Weber é seu terceiro relator.

MAIS NOTÍCIAS

ART MÓVEIS
ADRIANO CONRADO
ROGÉRIO CALÇADOS
GRUPO WHATSAPP
FUNERÁRIA BOM PASTOR
Petroman
OLIDATA
LAVAGEM FERNANDES
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
SUPER SÃO JOSÉ
ELETRO CLIC
RÁDIO SÃO JOSÉ
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +