Cultura

Arquiteto, filósofo e professor de Dom Feliciano, Roberto Scislewski, ganha prêmio estadual por sua trajetória cultural

“Neste prêmio consideram-se os trabalhos desenvolvidos em Dom Feliciano, Camaquã e Chuvisca, lugares que trabalhei na cultura e que guardo com imenso carinho e gratidão", diz Roberto
24/06/2021 - 14h43min Corrigir

A Secretaria de Estado da Cultura do Rio Grande do Sul (Sedac) e o “Instituto Trocando Ideias”, com 21 anos de atuação em projetos culturais em Porto Alegre, lançaram em fevereiro deste ano o “Prêmio Trajetórias Culturais – Mestra Sirley Amaro”. E depois de cinco meses, após inúmeras avaliações, saiu finalmente a lista final com os vencedores reconhecidos e valorizados por sua trajetória cultural.

Trajetórias Culturais - Mestra Sirley Amaro é um prêmio de reconhecimento do Estado e da sociedade civil para os fazedores de cultura, que transformam vidas por meio da arte nas diferentes comunidades.

As premiações objetivam dar destaque a pessoas que construíram um caminho de relevância social, criando, inovando e transformando seus espaços de atuação e contribuindo para promover a cultura nas suas mais variadas manifestações.

No total, foram recebidas 5.218 inscrições e premiadas 1.500 trajetórias culturais, distribuídas nas nove Regiões Funcionais dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento.

Os inscritos apresentaram as suas trajetórias nos seguintes segmentos culturais: Audiovisual; Artesanato; Artes Visuais; Circo; Culturas Populares; Cultura Viva; Dança; Diversidade Linguística, Livro, Leitura e Literatura; Música; Teatro; Memória e Patrimônio; e Museus.

E, em Dom Feliciano o premiado por sua trajetória cultural foi o arquiteto, filósofo (formado recentemente pela Universidade Federal de Pelotas – UFPel) e professor, Roberto Scislewski.Ele dedicou praticamente sua vida ao desenvolvimento cultural da região. E dentre inúmeros trabalhos desenvolvidos, foi o criador da Casa da Cultura do Imigrante e do Monumento à N.S. de Czestochowa, pontos turísticos de Dom Feliciano conhecidos internacionalmente. E teve grande destaque também nem sua atuação no Grupo Folclórico polonês “Solidarrnosc”, realizando apresentações em diversas cidades do estado.

“Foi maravilhoso ter sido contemplado com esse prêmio”, comenta Roberto. “É um reconhecimento de toda uma vida dedicada a cultura. É como um “fechamento” de uma fase onde você foi reconhecido e valorizado por seu trabalho autêntico e verdadeiro. Esse reconhecimento que recebi pela Secretaria de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul e pelo “Instituto Trocando Ideias” foi algo que me orgulha muito”, completa Roberto.

“Neste prêmio consideram-se os trabalhos desenvolvidos em Dom Feliciano, Camaquã e Chuvisca, lugares que trabalhei na cultura e que guardo com imenso carinho e gratidão", finaliza Roberto.

Roberto Scislewski em Camaquã foi diretor do Teatro Coliseu e desenvolveu várias atividades culturais. No município de Chuvisca também trabalhou na cultura e transformou o município na cidade mundial da “Chama do Dia do Desafio”. Ele teve participação no projeto do pórtico da entrada da cidade e entre outros, e resgatou o costume pomerano do “Der Osterbaum” nas escolas municipais.

Em 2008, Roberto recebeu das mãos da governadora do Estado o primeiro prêmio estadual da cultura (FAMURS- CODIC) para Dom Feliciano, com o Projeto: “PISANKI” – O resgate de uma arte milenar.

E agora, recebe outro prêmio por sua destacada trajetória cultura, e desta forma, mais uma vez, na área cultural, Dom Feliciano ganha destaque.

MAIS NOTÍCIAS

SERVI
ELETRO CLIC
PIX
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
ART MÓVEIS
CÂMERAS EXTERNAS
KNN IDIOMAS
OLIDATA
FUNERÁRIA BOM PASTOR
MÁRIO SERRALHEIRO
SUPER SÃO JOSÉ