Mundo

Bangladesh condena seis militantes à morte por homicídio de ativistas gays

Xulhaz Mannan, de 35 anos e Mahbub Rabino Tonoy, de 25, foram mortos em um apartamento na capital do país em abril de 2016
01/09/2021 - 09h56min Corrigir

Seis membros de um grupo militante islâmico foram condenados à morte nessa terça-feira (31), por um tribunal em Bangladesh pelo assassinato brutal de dois ativistas pelos direitos gays há cinco anos.

Inscreva-se em nosso novo canal do YouTube ACESSE AQUI!

Xulhaz Mannan, 35, o editor da primeira revista de Bangladesh para gays, bissexuais, transgêneros e queer (LGBTQ +), e o ator Mahbub Rabino Tonoy, 25, foram assassinados no apartamento de Mannan na capital Daca em abril de 2016 em um ataque alegado por Ansar Al Islam, o braço regional da Al Qaeda.

As mortes foram parte de uma série de ataques a blogueiros ateus, acadêmicos e outras minorias que chocou a nação do sul da Ásia de 170 milhões de habitantes e levou muitos a se esconderem ou fugirem para o exterior.

Dos oito réus no caso, seis foram considerados culpados de assassinato e condenados à morte, disse o promotor público Golam Sarwar Khan.

O Tribunal Especial Antiterrorismo também condenou os seis por pertencerem a uma organização terrorista, a organização militante doméstica inspirada na Al Qaeda, Ansar Ullah Bangla Team, disse Khan, um grupo que a polícia acredita ser responsável pelos assassinatos de mais de uma dúzia de ativistas seculares. e blogueiros.

O advogado de defesa dos homens, Nazrul Islam, disse que apelariam das sentenças.

O tribunal absolveu dois outros réus, que estão fugindo e foram julgados à revelia, disse Khan. Dos seis homens condenados à morte, dois também estão foragidos e foram julgados à revelia.

Um deles é Syed Ziaul Haq, um major do exército demitido que se acredita ser o líder do grupo e acusado de ser o mentor dos assassinatos.

A revista de Mannan, Roopbaan, não tinha permissão oficial para publicar em Bangladesh, um país muçulmano onde as relações entre pessoas do mesmo sexo são ilegais e a comunidade LGBTQ + há muito tempo é marginalizada.

"Estamos felizes com o julgamento. Ao menos depois de muito tempo, conseguimos justiça", disse Shahanur Islam, um ativista pelos direitos dos homossexuais.

"Mas, como ativista LGBT e também ativista contra a pena de morte, sempre prefiro uma sentença de prisão perpétua ... em vez da pena de morte", disse Islam.

“Agora temos que ver que passo o governo dá. Dois culpados ainda estão fugidos. Agora nossa expectativa é de que o governo tome providências imediatas para a execução da sentença depois de prender os culpados fugidos”, acrescentou.

Entre 2013 e 2016, uma série de ataques contra ativistas seculares e minorias religiosas foram reivindicados pelo ISIS ou por grupos alinhados à Al Qaeda.

O ataque mais sério ocorreu em julho de 2016, quando homens armados invadiram um café no bairro diplomático de Dhaka e mataram 22 pessoas, a maioria estrangeiras.

Depois do cerco do café, mais de 100 supostos militantes foram mortos e centenas de outros foram presos enquanto o governo reprimia os grupos islâmicos em uma tentativa de preservar sua imagem de nação muçulmana moderada.

Para receber as notícias gratuitamente e em tempo real participe do nosso grupo de WhatsApp, acessando aqui!

MAIS NOTÍCIAS

Mais Lidas