Justiça

CASO BERNARDO: padrasto é condenado por homicídio duplamente qualificado em Pelotas

Morte de bebê de 1 ano e dois meses chocou o município em março de 2019
02/06/2021 - 10h59min Corrigir

Um caso que abalou Pelotas, no Sul do Rio Grande do Sul, há pouco mais de dois anos, ganhou um ponto final nessa terça-feira (1). O julgamento da morte do pequeno Bernardo Araújo Pinto, de 1 ano e dois meses, durou cerca de 7 horas e resultou na condenação do padrasto da criança, Diego Ávila da Silva, a 43 anos de prisão.

O crime ocorreu no dia 1 de março de 2019, em um condomínio no Arco Íris, bairro Três Vendas, zona norte da cidade. Bernardo teve traumatismo craniano após ser espancado e estuprado pelo homem. Ele chegou a ser levado ao Pronto-Socorro do município, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos.

O caso foi investigado pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA). O suspeito foi preso em flagrante no mesmo dia e enquadrado no crime de homicídio duplamente qualificado – motivo fútil e meio cruel – e majorado por ter sido praticado contra menor de idade.

A mãe do menino não estava em casa quando tudo aconteceu, mas acabou sendo indiciada por homicídio qualificado, por ser considerada responsável pela integridade do filho e ter se omitido. No entanto, a denúncia foi retirada, posteriormente, pelo Ministério Público.

Conforme matérias do G1 RS sobre o caso na época, Diego alegou que o enteado havia se engasgado e que ao tentar levá-lo para a rua, em busca de socorro, o bebê escorregou. Testemunhas que prestaram depoimento afirmaram que o suspeito falava abertamente que não gostava da criança.

O homem, de 33 anos, deve seguir preso no Presídio Regional de Pelotas, onde já estava detido, aguardando julgamento.

MAIS NOTÍCIAS

SUPER SÃO JOSÉ
ROGÉRIO CALÇADOS
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
FUNERÁRIA BOM PASTOR
ANUNCIE AQUI
MÁRIO SERRALHEIRO
OLIDATA
ELETRO CLIC
ART MÓVEIS
Tocando agora: Relembre bons momentos