Justiça

Ministério Público denuncia mãe e madrasta de menino Miguel por homicídio, tortura e ocultação de cadáver

Defesa de ambas nega que elas tenham praticado os crimes
17/08/2021 - 10h58min Corrigir

A mãe e a madrasta do menino Miguel dos Santos Rodrigues, de 7 anos, foram denunciadas pelo Ministério Público (MP) do Rio Grande do Sul, nesta terça-feira (17), por homicídio triplamente qualificado, tortura e ocultação de cadáver. O crime ocorreu no final de julho, em Imbé, no Litoral Norte do Estado. Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues, de 26 anos, confessou ter matado o filho e atirado o corpo no Rio Tramandaí e foi presa em flagrante. Bruna Nathiele Porto da Rosa, de 23, foi apontada pela Polícia Civil como cúmplice nos crimes e também foi detida.

Inscreva-se em nosso novo canal do YouTube ACESSE AQUI!

O corpo do garoto não foi encontrado até o momento, mas os bombeiros seguem as buscas por todo o Litoral Norte. A denúncia foi entregue na segunda-feira (16) pela Promotoria de Tramandaí. O MP aceitou o indiciamento feito pela investigação após o término do inquérito policial, que indicou como agravantes do homicídio: motivo torpe, recurso que dificultou a defesa da vítima e meio cruel. Miguel teria sido espancado por Yasmin, que em seguida deu a ele um antidepressivo e, sem ter certeza de que o filho estava morto, colocou o corpo dentro de uma mala e atirou no rio. Para o MP, o menino foi morto por ser considerado 'um entrave no relacionamento' das duas, que estavam juntas há cerca de 1 ano e meio. 

Durante a investigação, a polícia obteve imagens de câmeras de segurança que mostraram o trajeto feito pelas acusadas durante a ocultação do cadáver. As autoridades também descobriram pesquisas feitas por Yasmin na internet para saber se o mar é capaz de apagar impressões digitais, se tornando provas de que a criança foi arremessada nas águas.

Na pousada onde Miguel morava com a mãe e a madrasta foram apreendidos um caderno com insultos que o menino era obrigado a copiar e também uma camiseta e uma corrente sujas de sangue que, posteriormente, a perícia constatou ser da criança.

A partir de todas essas evidências, a investigação concluiu que Miguel já havia sido vítima de tortura. O garoto, segundo a polícia, era mantido trancado em um guarda-roupas e em uma peça escura de cerca de um metro quadrado. Tanto a defesa de Yasmin quanto a de Bruna negam que elas tenham cometido os crimes. 

Os detalhes sobre a denúncia apresentada pelo MP estão sendo divulgados nesta manhã, em coletiva de imprensa, em Porto Alegre.

Para receber as notícias gratuitamente e em tempo real participe do nosso grupo de WhatsApp, acessando aqui!

MAIS NOTÍCIAS

KNN IDIOMAS
FUNERÁRIA BOM PASTOR
PIX
MÁRIO SERRALHEIRO
CÂMERAS EXTERNAS
ART MÓVEIS
OLIDATA
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
ELETRO CLIC
SUPER SÃO JOSÉ