Justiça

Justiça suspende liminar concedida contra a Equatorial Energia relacionada ao temporal de janeiro em Porto Alegre

Segundo a decisão liminar do recurso, o juízo de 1º grau afastou a aplicação das normas que regulam o procedimento administrativo disponível ao consumidor, previsto em resolução da ANEEL, exigindo a criação de um procedimento administr

Compartilhe:
06/02/2024 - 09h19min Ascom TJRS / Edição: Redação BJ News Corrigir

O desembargador Irineu Mariani, da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, suspendeu, nessa segunda-feira (5), os efeitos da decisão do Juízo da 15ª Vara Cível da Comarca de Porto Alegre, em ação coletiva de consumo contra a Equatorial Energia, relacionada ao temporal ocorrido em 16 de janeiro.

Um agravo de instrumento foi interposto pela concessionária de energia que pediu a suspensão das medidas determinadas anteriormente, como a criação de procedimentos simplificados de ressarcimentos dos danos, em um prazo máximo de cinco dias, e aplicação de multa diária em caso de descumprimento.

Segundo a decisão liminar do recurso, o juízo de 1º grau afastou a aplicação das normas que regulam o procedimento administrativo disponível ao consumidor, previsto em resolução da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), exigindo a criação de um procedimento administrativo simplificado. Para o desembargador, nesse caso, não cabe ao Judiciário exarar juízo de valor, recusando a regra criada pela autoridade competente e instituindo outra.

“Cabe à ANEEL, órgão que integra o Poder Executivo, regular a matéria mediante resoluções. A decisão, mesmo objetivando disciplinar a questão num momento de crise, em princípio usurpa competência de outro Poder”, afirma Mariani.

No que se refere à apresentação pela empresa concessionária, em 10 dias, de uma lista geral de consumidores que tiveram interrupção do fornecimento de energia, segundo o desembargador, não há probabilidade do direito alegado, uma vez que é individual, isto é, compete a cada consumidor reclamar ou não, na fase de cumprimento de sentença. "Também não há perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo, porquanto inexiste ameaça de a lista ser destruída ou de não ser possível a elaboração a qualquer momento, durante a instrução do processo", aponta.

Parte das determinações do Juízo de 1º grau, como o restabelecimento da energia elétrica em 24 horas, estão sem objeto ou prejudicadas, visto que não mais há ponto de consumo sem restabelecimento da energia, tendo por base o episódio meteorológico. Ainda, o prazo de 24 horas indistintamente esbarra em impossibilidade material, tendo em conta a atividade prévia do município na remoção de árvores e galhos quebrados, condição para reconstruir a rede.  A suspensão da disponibilização do procedimento administrativo simplificado resultou também na suspensão de outras medidas, como a multa diária.

Inscreva-se em nosso novo canal do YouTube ACESSE AQUI!

Para receber as notícias gratuitamente e em tempo real participe do nosso super grupo no WhatsApp, clicando aqui!

Ou participe do nosso grupo no Telegram clicando aqui!

Ouça AQUI a web rádio do Blog do Juares!

Siga o Blog do Juares no Google News e recebe notificações das últimas notícias em seu celular, acessando aqui!

MAIS NOTÍCIAS

CÂMERAS
COMERCIAL EM INGLÊS BLOG DO JUARES
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
AABB
COMERCIAL BLOG DO JUARES
FUNERÁRIA BOM PASTOR
BJ RÁDIO WEB | CAMAQUÃ (RS)
SUPER SÃO JOSÉ
Mais Lidas
CÂMERASCOMERCIAL EM INGLÊS BLOG DO JUARESFUNERÁRIA CAMAQUENSEAABBCOMERCIAL BLOG DO JUARESFUNERÁRIA BOM PASTORBJ RÁDIO WEB | CAMAQUÃ (RS) SUPER SÃO JOSÉ
TBK INTERNET