Justiça

Caso Bernardo: TJRS analisará nesta semana recursos para anular segundo júri de Leandro Boldrini

Na ocasião, o pai do menino foi condenado a uma pena de 31 anos e oito meses de prisão pelo homicídio do filho, ocorrido em 2014 em Três Passos, no Noroeste do Estado

Compartilhe:
20/02/2024 - 09h07min Ascom MPRS / Edição: Redação BJ News Corrigir

O Tribunal de Justiça do Estado (TJRS) julgará, na próxima sexta-feira (23), recursos interpostos pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) — para aumentar a pena estabelecida a Leandro Boldrini — e dos advogados dele — para anular o segundo júri, ocorrido em março de 2023. Na ocasião, o pai de Bernardo foi condenado a uma pena de 31 anos e oito meses de prisão pelo homicídio do filho no ano de 2014 em Três Passos, no Noroeste do Estado. Apesar da defesa do réu alegar a ocorrência de nulidades no julgamento, o MPRS acredita que o veredito dos jurados será mantido.

O segundo julgamento foi realizado pois o primeiro, ocorrido em 2019, foi anulado no final de 2021, quando a Justiça considerou que houve quebra da paridade de armas (ou seja, igualdade de tratamento entre as partes do processo) durante o interrogatório do réu. Há quase cinco anos, Boldrini havia sido condenado a 33 anos e oito meses de prisão — 30 anos e oito meses por homicídio, dois anos por ocultação de cadáver e um ano por falsidade ideológica. Também foram condenados: Graciele Ugulini (34 anos e sete meses de reclusão), madrasta de Bernardo, e ainda Edelvania Wirganovicz (22 anos e dez meses) e Evandro Wirganovicz (nove anos e seis meses).

A coordenadora do Centro de Apoio Operacional Criminal e de Acolhimento às Vítimas do MPRS, promotora de Justiça Alessandra Moura Bastian da Cunha, diz que a instituição está convicta que o TJRS respeitará a decisão dos jurados de Três Passos, que, por duas vezes, condenaram Leandro Boldrini. “Nesse momento, o MPRS é a única voz da vítima: o menino Bernardo, que não tem qualquer familiar que possa representá-lo e por ele buscar que seja feita efetiva justiça”, destaca a promotora.

Já a promotora de Justiça Lúcia Helena Callegari, que atuou no segundo júri, ressalta que, na época, não houve nulidades em plenário, já que o julgamento transcorreu com tranquilidade e com todas as garantias do acusado sendo obedecidas. Ela também está confiante e defende o fato de ser respeitada a decisão dos jurados: “nós, como MPRS, estamos atentos ao julgamento deste recurso e vamos buscar a validação do julgamento anterior. Alguém tem de falar pelo Bernardo. Ele não tem mais a avó, ele não tem mais mãe e o pai, que deveria amá-lo, o matou ou então participou de todo esse esquema da morte”.

O corpo de Bernardo, que tinha 11 anos, foi encontrado em Frederico Westphalen, após dez dias do desaparecimento do menino. Ele morava com o pai, a madrasta e uma meia-irmã, de um ano, no município de Três Passos. O caso gerou revolta em todo o país. A criança foi dopada e morta, sendo enrolada em um saco plástico e enterrada em uma cova em um matagal.

Inscreva-se em nosso novo canal do YouTube ACESSE AQUI!

Para receber as notícias gratuitamente e em tempo real participe do nosso super grupo no WhatsApp, clicando aqui!

Ou participe do nosso grupo no Telegram clicando aqui!

Ouça AQUI a web rádio do Blog do Juares!

Siga o Blog do Juares no Google News e recebe notificações das últimas notícias em seu celular, acessando aqui!

MAIS NOTÍCIAS

SUPER SÃO JOSÉ
FUNERÁRIA CAMAQUENSE
COMERCIAL BLOG DO JUARES
FUNERÁRIA BOM PASTOR
AABB
COMERCIAL EM INGLÊS BLOG DO JUARES
CÂMERAS
BJ RÁDIO WEB | CAMAQUÃ (RS)
Mais Lidas
SUPER SÃO JOSÉFUNERÁRIA CAMAQUENSECOMERCIAL BLOG DO JUARESFUNERÁRIA BOM PASTORAABBCOMERCIAL EM INGLÊS BLOG DO JUARESCÂMERASBJ RÁDIO WEB | CAMAQUÃ (RS) TBK INTERNET