Colunistas

Nilton Moreira - Estrada Iluminada

Nilton Moreira - Estrada Iluminada

Nilton Moreira é inspetor de polícia do RS e mantém coluna com o título Estrada Iluminada em Jornais, Portais e Blogs.

Telefone: (55) 99919 0332.

Alcoolismo. Primeiro gole

15/11/2019 - 17h37min Nilton Moreira / Foto: Divulgação / Google

Mas quando é que ficamos sabendo se já somos alcoólatra? Será que existe aquela alegação de “bebo socialmente”?

A grande maioria no Planeta ingere algum tipo de bebida alcoólica, afinal este proceder é muito antigo, contado nos mais diversos livros.

Jesus que era dotado dos maiores conhecimentos quando esteve aqui na Terra demonstrou a habilidade de químico, quando transformou pela manipulação água em vinho, e antes disto nos contos mais antigos, e na mitologia o uso de bebidas sempre foi mencionado.

Mas voltando ao assunto de dependência alcoólica, nunca sabemos quando o beber já é vício. É difícil alguém admitir ser alcoólatra, pois tal proceder fere seu orgulho, por isso a dificuldade que existe em auxiliarmos a quem é usuário regular do álcool.

Certa ocasião a convite, participamos de palestra a respeito das consequências ocasionadas pelo alcoolismo, isto em razão de nossa profissão e crença, o que nos possibilitou um contato mais direto com o A.A., Grupo este de suma importância na vida de quem quer amparo com esclarecimento para ficar sóbrio.

É importante que o usuário esteja em condições de raciocínio e querer ser ajudado, possibilitando procurar e participar das reuniões do A.A., pois que muitos dependentes não podem ficar sem a bebida por sentirem reações que vão de tremedeira a visões das mais diversas, o que muitas vezes desemboca em comportamento violento, indo com isso refugiar-se na bebida. Nesta fase é importante à internação numa clínica com acompanhamento médico, possibilitando desintoxicação do organismo, para que o indivíduo volte a ter um mínimo domínio de si, para então após ser encaminhado com sua concordância aos Alcoólicos Anônimos para participar das reuniões, que vai ser a “tábua de salvação”.

Por outro lado, do posto de vista espiritual, sabemos que somos influenciados intuitivamente pelos obsessores invisíveis, e certamente os obsessores são também dependentes do álcool, e como não podem beber no copo procuram se acercar dos chamados “vivos” para então sorver as emanações fluídicas que o usuário exterioriza, muito bem narrado na literatura de Chico Xavier, quando determinada pessoa que chega a casa e é esperada na porta por dois desencarnados que intuitivamente gritam “beber meu caro, beber” e a referida pessoa num ato compulsivo vai até a estante, pega a bebida e a coloca no copo, e ingere.

Portanto, além de ser doença que envolve necessidade orgânica, também engloba o psíquico que está ligado diretamente ao espiritual, o que muitos não entendem, o que certamente torna difícil a recuperação.

Tenhamos o cuidado de observar essa linha demarcatória invisível do beber socialmente e já ser um alcoólatra.

O melhor é não tomar o primeiro gole, pedindo sempre amparo de nosso Irmão Maior Jesus, que nos conhece muito bem.

MAIS COLUNAS

VIA NATURAL
BLOG DO EVALDO
INSTALAÇÃO ELÉTRICA
VIA NATURALBLOG DO EVALDOINSTALAÇÃO ELÉTRICA
Tocando agora: Relembre bons momentos
Diminuir/Aumentar Fonte: Fonte: A - A +